Ciência e Tecnologia
publicado em 21/07/2010 às 14h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Rosane Fernandes/UFF
Foto: Rosane Fernandes/UFF
Foto: Rosane Fernandes/UFF
Pesquisa dos biólogos levou dois anos para ser completada Rafael Cisne de Paula, autor da dissertação, e André Fuly, professor orientador exibem, respectivamente, o extrato da planta e o veneno Pesquisadores trabalham no laboratório no Instituto de Biologia
  « Anterior
Próxima »  
Pesquisa dos biólogos levou dois anos para ser completada
Rafael Cisne de Paula, autor da dissertação, e André Fuly, professor orientador exibem, respectivamente, o extrato da planta e o veneno
Pesquisadores trabalham no laboratório no Instituto de Biologia

O extrato da planta S. barbatiman, popularmente conhecida como 'barbatimão', 'barba-de-timão' ou 'casca da virgindade', que possui algumas atividades terapêuticas já descritas como cicatrizante, anti-hemorrágica e antimicrobiana, foi agora estudada e analisada por pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF) como neutralizante do veneno da cobra surucucu, uma das mais letais e a maior serpente venenosa da América do Sul.

Segundo os biólogos Rafael Cisne de Paula e André Fuly, do Instituto de Biologia da UFF, os acidentes ofídicos são um problema de saúde pública grave nos países tropicais, o que torna a pesquisa por novos agentes antiofídicos de grande importância.

Embora a maioria dos acidentes ocorra na zona rural, há certas evidências, dizem os pesquisadores, de uma possível adaptação das serpentes às periferias das cidades, pois as precárias condições de saneamento básico propiciam a proliferação de roedores, que servem de alimento para as serpentes.

As vítimas são, preferencialmente, do sexo masculino, com idades entre 15 e 49 anos e, em 70% dos casos, são atingidos os membros inferiores.

Atualmente, o tratamento preconizado pelo Ministério da Saúde para as mordeduras de cobra é a administração endovenosa de soro antiofídico, que é produzidas em três grandes centros: os institutos Vital Brazil, em Niterói, e Butantã, em São Paulo, e a Fundação Ezequiel Dias em Belo Horizonte.

Esse soro é produzido segundo os métodos descritos por Vital Brazil, que consistem na imunização de cavalos com venenos de várias espécies, sendo, portanto, uma produção cara e de difícil distribuição, devido à exigência de conservação em baixas temperaturas, além de causar vários efeitos colaterais.

As mordeduras de cobra causam efeitos sistêmicos e locais no organismo das vítimas. Os efeitos sistêmicos implicam em alterações nos sistemas cardiovascular, respiratório, urinário, hemostático e nervosos, que resultam em distúrbios de coagulação, hemorragia, hipotensão e óbito. Os efeitos locais incluem edemas, equimoses, necrose de tecidos e hemorragia local, além de reação inflamatória e dores.

O soro, hoje administrado, reverte os efeitos sistêmicos, conseguindo, na maioria das vezes, evitar o óbito, mas é ineficaz contra os efeitos locais, que terminam por deixar seqüelas, às vezes, incapacitadoras, devido à amputação ou atrofia de membros.

A serpente estudada pelos pesquisadores André Fuly e Rafael Cisne, a surucucu, tem uma letalidade muito superior às demais cobras peçonhentas encontradas no Brasil. O elevado índice de óbitos provocados pela surucucu pode ser atribuído à quantidade de veneno inoculada ou à variedade de componentes tóxicos presentes na sua secreção.

Os sintomas e sinais decorrentes do seu envenenamento são caracterizados por intensa dor local, choque de hipotensão, bradicardia, diarréia, hemorragia, dentre outros. Vários sintomas são semelhantes aos produzidos pelas jararacas, mas outras manifestações biológicas são relatadas para o veneno bruto dessa serpente, como as atividades neurotóxica, hemolítica (de destruição das hemácias) e coagulante.

Acidentes com surucucu predominam nos meses quentes e chuvosos

Neste estudo, os pesquisadores analisaram 12 plantas da flora brasileira, que apresentaram graus diferentes de inibição do veneno. No entanto, o extrato da planta S. barbatiman foi o que atuou efetivamente na inibição do veneno da surucucu, tendo sido, inclusive, submetido ao aquecimento de 80° C, durante 30 minutos, oferecendo a mesma proteção.

Essa qualidade é muito importante num tratamento antiofídico, uma vez que a maioria dos acidentes ocorrem na zona rural, geralmente sem energia elétrica para a conservação de medicamentos a baixas temperaturas, além de ocorrerem com mais freqüência nos meses quentes e chuvosos.

Nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste esse aumento ocorre entre os meses de setembro a março, enquanto que na região Nordeste, o aumento é de janeiro a maio e, na região Norte, observa-se de maneira uniforme durante todo o ano. O estado brasileiro com o maior número de registros de ocorrência é o Pará, seguido de Minas Gerais, Bahia e São Paulo.

Fonte: UFF
   Palavras-chave:   Antiveneno    Surucucu    S. barbatiman    Barbatimão    UFF   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Antiveneno    Surucucu    S. barbatiman    Barbatimão    UFF   
Comentários:
Comentar
cecilia costa
postado em:
21/10/2010 13:12:22
André Fuly, um dos meus melhores professores da UFF! Parabéns por essa conquista!!!Abçs
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.