Saúde Pública
publicado em 01/06/2010 às 23h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Virginia Damas/CCI/ENSP/Fiocruz
Foto: Virginia Damas/CCI/ENSP/Fiocruz
Foto: Virginia Damas/CCI/ENSP/Fiocruz
Foto: Virginia Damas/CCI/ENSP/Fiocruz
Foto: Virginia Damas/CCI/ENSP/Fiocruz
Luis Carlos Fadel de Vasconcelos - pesquisador do Grupo de Direitos Humanos e Saúde da ENSP (Gdihs/ENSP) Luis Fadel apresenta propostas para platéia Marcia Agostini - NUSAT/SUBVISA/RJ Maria Alice Pessanha - ENSP/FIOCRUZ Hans Dohmann (Sec. Mun. Saude e Defesa Civil/RJ), Marcia Agostini, Maria Alice Pessanha e Anibal Coelho Amorim (Assessor VPAAPS/Fiocruz)
  « Anterior
Próxima »  
Luis Carlos Fadel de Vasconcelos - pesquisador do Grupo de Direitos Humanos e Saúde da ENSP (Gdihs/ENSP)
Luis Fadel apresenta propostas para platéia
Marcia Agostini - NUSAT/SUBVISA/RJ
Maria Alice Pessanha - ENSP/FIOCRUZ
Hans Dohmann (Sec. Mun. Saude e Defesa Civil/RJ), Marcia Agostini, Maria Alice Pessanha e Anibal Coelho Amorim (Assessor VPAAPS/Fiocruz)

Assumir a saúde do trabalhador como uma questão de saúde pública para integrá-la ao Sistema Único de Saúde foi a principal abordagem do pesquisador do Grupo de Direitos Humanos e Saúde da ENSP (Gdihs/ENSP), Luis Carlos Fadel de Vasconcelos, na primeira mesa do Fórum de Saúde do Trabalhador do Município do Rio de Janeiro, segunda-feira (31), na ENSP. Com o tema "A Saúde do Trabalhador e o SUS: interlocuções possíveis", o palestrante falou das conquistas obtidas na área pelo Movimento da Reforma Sanitária e da importância de se diferenciar a saúde do trabalhador da saúde ocupacional e da medicina do trabalho.

O fórum foi promovido pela ENSP e pela Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador no município do Rio de Janeiro, reunindo pesquisadores, membros dos Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), alunos, gestores, dirigentes e membros do movimento sindical para discutir a saúde do trabalhador da cidade do Rio de Janeiro.

A primeira mesa foi coordenada por Isabel Gomes, do Núcleo de Saúde do Trabalhador da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro. Após a apresentação do tema, Luis Carlos Fadel questionou se a saúde do trabalhador foi realmente incorporada pelo SUS. Segundo ele, ao se falar em saúde do trabalhador atualmente, "nos referimos a uma expressão mais moderna, que se relaciona à saúde pública e supera a saúde ocupacional e a medicina do trabalho."

Para Fadel, o conceito de saúde do trabalhador tem origem no movimento operário italiano, que buscava superar o conceito tradicional de saúde ocupacional e procurava mecanismos mais justos na relação entre saúde e trabalho. "Quando falamos em saúde do trabalhador, nos referimos à saúde, ao trabalho e ao direito", afirmou. No Brasil, revelou que os pensadores da Reforma Sanitária enxergaram que as instâncias de saúde não contemplavam a saúde do trabalhador, e havia a necessidade de mudar a relação daquilo que era chamado de saúde ocupacional e medicina do trabalho.

"A saúde no trabalho não fez parte da construção da saúde pública no século XX. Cuidar da saúde do trabalhador custa caro, e, quando a Organização Internacional do Trabalho foi criada, a saúde do trabalhador deixou de pertencer à saúde pública para se tornar parte da previdência social e do Ministério do Trabalho. Quando o Ministério foi criado, a Secretaria de Higiene Industrial saiu da pasta da saúde, por exemplo. A saúde no trabalho deixou de ser um problema de saúde; e mudar esse cenário foi um desafio muito grande na época em que o SUS foi pensado."

Na opinião do palestrante, quando a saúde do trabalhador foi incluída no ideário do SUS, pretendia-se que ela refletisse outro modelo, calcado numa relação de justiça com o trabalhador, e isso vem avançando. "Hoje, incluímos a categoria trabalho nos determinantes sociais da saúde. Não faz sentido que aspectos relacionados à saúde do trabalhador fiquem de fora da saúde. No entanto, a gestão do SUS ainda não assumiu o trabalho como uma questão central. A Vigilância Sanitária fiscaliza o produto, mas não o trabalhador. Não temos de pensar somente em parcerias nesse campo, mas em políticas integradas, em política de governo que privilegie a saúde do trabalhador. Temos gastos gigantescos com os acidentes de trabalho; mais de três mil mortes; quatrocentos mil acidentados; e dezoito mil se tornam incapacitados por ano. As interlocuções são fundamentais" finalizou.

Fonte: ENSP
   Palavras-chave:   Especialista    Interlocução    Saúde    Trabalhador    SUS   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Especialista    interlocução    saúde    trabalhador    SUS   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.