Geral
publicado em 02/05/2010 às 13h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Divulgação/Mundo Verde
Em comparação com os medicamentos alopáticos, sem sombra de dúvidas, os fitoterápicos apresentam menos efeitos colaterais, como a linhaça por exemplo
  « Anterior
Próxima »  
Em comparação com os medicamentos alopáticos, sem sombra de dúvidas, os fitoterápicos apresentam menos efeitos colaterais, como a linhaça por exemplo

A utilização de plantas medicinais na prática clínica é o tema central da VI Jornada de Nutrição, organizada pelo Instituto de Nutrição Josué de Castro. O evento ocorre no dia 7 de maio, no Centro de Ciências da Saúde, e é coordenado pelas professoras doutoras Wilza Peres e Glorimar Rosa.

A popularidade desse tipo de tratamento motivou a organização de um evento que discutisse o tema. Porém, de acordo com Glorimar, é preciso ter cuidado. " Pelo fato de ser natural, as pessoas acreditam que ' se não fizer bem, mal não faz' . Não é bem assim. Um chá, se for muito concentrado, pode ter um efeito indesejável" , afirma a professora, que exemplifica: " existem vários chás para o controle da glicemia que já têm efeito amplamente comprovado, mas que devem ser utilizados dentro das proporções devidamente prescritas. Se o tratamento não for feito de forma adequada, pode resultar em hipoglicemia, que é tão indesejável quanto a hiperglicemia." Glorimar conclui: " essa coisa de imaginar que, por ser natural, pode utilizar indiscriminadamente me assusta" .

O tratamento com base em plantas inspira atenção, como a medicação convencional, mas uma de suas grandes vantagens é apresentar menos reações indesejadas que os medicamentos tradicionais. " Em comparação com os medicamentos alopáticos, sem sombra de dúvidas, os fitoterápicos apresentam menos efeitos colaterais" , diz a professora doutora Glorimar, que é pesquisadora do Laboratório de Bioquímica Nutricional do Instituto de Nutrição Josué de Castro - UFRJ.

Um exemplo de possível utilização da fitoterapia é a reposição hormonal através de compostos naturais, como a linhaça, por mulheres na menopausa. " Ela é rica em lignanas, que são fitoestrógenos. Pode ser utilizada na reposição hormonal, sem alguns efeitos, como o câncer de mama. Através da fitoterapia, o tratamento pode ser feito de forma mais suave" , afirma Glorimar.

A VI Jornada de Nutrição Clínica traz a discussão de diferentes aspectos da fitoterapia, como a legislação dos fitoterápicos para o profissional nutricionista, fito-hormônios, prescrição e preparação doméstica de fitoterápicos e alimentos funcionais, em palestras com profissionais e pequisadores especialistas na área.

Informações sobre inscrição e apresentação de trabalhos, além da programação completa, estão disponíveis em www.nutricao.ufrj.br

Fonte: UFRJ
   Palavras-chave:   Fitoterapia    Tratamento    Vegetal    Planta Medicinal    Jornada    UFRJ   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Fitoterapia    Tratamento    Vegetal    Planta Medicinal    Jornada    UFRJ   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.