Ciência e Tecnologia
publicado em 22/01/2010 às 20h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Neil Boyd/UNC
Neil Hayes da Divisão de Hematologia e Oncologia da Universidade da Carolina do Norte
  « Anterior
Próxima »  
Neil Hayes da Divisão de Hematologia e Oncologia da Universidade da Carolina do Norte

Novas descobertas feitas por pesquisadores do Centro Lindenberg de Câncer da Universidade da Carolina do Norte sugerem que a forma mais comum de câncer maligno no cérebro em adultos, o glioblastoma multiforme (GBM), provavelmente não é uma única doença, mas um conjunto de doenças, cada uma com um processo molecular patológico distinto e subjacente. O estudo oferece uma estrutura sólida para a investigação de futuras terapias específicas, que podem melhorar o prognóstico quase uniformemente fatal deste câncer devastador.

"Os trabalhos anteriores demonstraram que o perfil de expressão gênica pode ser usado para identificar subgrupos distintos de glioblastoma," disse o autor sênior do estudo, D. Neil Hayes da Divisão de Hematologia e Oncologia da Universidade da Carolina do Norte. "No entanto, o número exato e o significado clínico destes não são claros" .

O grupo de pesquisadores foi capaz de identificar com segurança os quatro diferentes subtipos moleculares dos tumores de GBM. Em seguida eles realizaram uma análise integrativa especial, através de múltiplas plataformas para olhar para as características associadas a cada subtipo. Seus resultados foram bastante surpreendentes, o que implica que existem tipos distintos de glioblastomas e que cada um está associado a um determinado processo molecular.

"Descobrimos um conjunto de eventos que ocorrem de forma inequívoca, quase exclusivamente dentro de um subtipo," explica Hayes.

Os pesquisadores também relatam que a natureza desses eventos indica que o processo da doença subjacente para cada subtipo pode envolver células distintas de origem em um estágio específico de diferenciação. Esta constatação tem significado clínico potencial como para determinar a origem das células de glioblastoma e é fundamental para o estabelecimento de regimes de tratamento eficazes. Em apoio desta conclusão, o grupo de Hayes encontrou que as respostas à quimioterapia agressiva e à radiação diferem por subtipo.

" Em conjunto, os resultados representam um passo importante para terapias mais racionais para o tratamento do glioblastoma multiforme. Parece que a simples classificação para esses quatro subtipos carrega um rico conjunto de associações para as quais não há nenhum teste de diagnóstico existente. Esta classificação global do genoma do glioblastoma deve estabelecer as bases moleculares de uma melhor compreensão da via de sinalização da doença que poderia finalmente resultar em terapias personalizadas para grupos de pacientes", concluiu o autor.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
câncer maligno    cérebro    glioblastoma multiforme    terapias personalizadas    subtipos    D. Neil Hayes    Universidade da Carolina do Norte   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.