Artigo
publicado em 07/01/2010 às 12h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

O Ginkgo biloba é comercializado nos quatro cantos do mundo com a promessa de melhorar o pensamento e prevenir e retardar perdas cognitivas associados ao envelhecimento e às doenças doenças degenerativas, como é o caso da Doença de Alzheimer. Alguns estudos têm demonstrado que a erva tem algum efeito positivo na capacidade de relaxamento dos vasos e viscosidade do sangue, efeitos antioxidantes, e em tubo de ensaio, conseguiu até reduzir a agregação de proteínas associadas à Doença de Alzheimer. Entretanto, as pesquisas clínicas não têm conseguido demonstrar efeitos positivos do Ginkgo biloba sobre o cérebro, e o maior estudo sobre o tema acaba de ser publicado pelo conceituado periódico científico JAMA confirmando resultados anteriores: o uso do Ginkgo biloba não ajuda a melhorar o cérebro dos idosos.

O estudo " Avaliação Ginkgo da Memória" foi conduzido nos EUA e acompanhou mais de três mil idosos com idades entre 72 e 96 anos. No início do estudo, os idosos apresentavam cognição normal ou transtorno cognitivo leve, situação que fica no meio do caminho entre a normalidade e a demência. Vale ressaltar que indivíduos com transtorno cognitivo leve têm uma maior chance de desenvolver um quadro de demência, mas nem todos receberão um dia o diagnóstico de demência.

Após um seguimento médio de 6 anos, o uso de 240mg por dia da erva não teve qualquer efeito sobre as funções cognitivas dos idosos, incluindo memória, linguagem, atenção, velocidade psicomotora, construção visuo-espacial e funções executivas. Os resultados são concordantes com pesquisas anteriores com menor tempo de seguimento e menor número de voluntários, e ainda reforça a recente posição do sistema de revisões Cochrane que concluiu que o Ginkgo biloba não evita alterações cognitivas associadas à idade e nem reduz o risco de desenvolver demência.

A única participação da indústria farmacêutica neste estudo foi a doação das medicações pela alemã Schwabe Pharmaceuticals. A empresa não teve nenhuma participação no desenho, condução ou interpretação do estudo.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Ginkgo biloba    perdas cognitivas    doenças degenerativas    Doença de Alzheimer    Ricardo Teixeira   
Comentários:
Comentar
Talitha
postado em:
21/10/2010 13:12:22
Dr. Ricardo,ao procurar um cardiologista com taquicardia, dormência ns mãos e pés, e sudorese ele me informou que o meu quadro clínico seria de sistema nervoso, ansiedade.Então pasou uma medicaão manipulada de valeriana com ginkgo biloba. Gostaria de saber o que o r. acha desta combinação?
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.