Ciência e Tecnologia
publicado em 02/09/2013 às 10h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos EUA, desenvolveram um adesivo composto de colágeno que pode ser enxertado no tecido cardíaco danificado para estimular a recuperação.

Os resultados da pesquisa, realizada com ratos, demonstraram que o sistema não só acelera a geração de novas células e vasos sanguíneos na área danificada do coração, mas também limita o grau de dano no tecido resultante de traumas, como ataques cardíacos.

A chave, segundo a pesquisadora Pilar Ruiz- Lozano, é que o adesivo não procura substituir as células do músculo cardíaco mortas. Em vez disso, ele substitui o epicárdio, a camada exterior de tecido do coração, que não é o tecido do músculo, mas que protege e apoia o músculo do coração, ou do miocárdio. "Este tecido sintético tem as propriedades mecânicas do epicárdio de embriões", destaca Ruiz- Lozano.

O estudo foi publicado na revista Biomaterials.

O epicárdio embrionário é significativamente mais flexível do que o epicárdio de adultos, mas é mais rígido e estruturado do que os materiais existentes, tornando-o mais favorável para o crescimento de novos tecidos.

O epicárdio - ou a sua substituição artificial - tem de permitir a migração e proliferação das células necessárias para reconstruir tecidos danificados, bem como ser suficientemente permeável para permitir que os nutrientes e resíduos celulares passem através da rede de vasos sanguíneos.

A estrutura de malha, como de fibras colágenas no adesivo, tem esses atributos, servindo para apoiar e orientar o crescimento novo.

Em comparação com camundongos do grupo controle que não receberam nenhum tratamento, ratos que receberam o adesivo logo após sofrerem um ataque cardíaco induzido cirurgicamente apresentaram melhora significativa na função cardíaca global duas semanas depois.

Os corações com adesivo mostraram maior migração de células para o local da lesão, quatro semanas após o implante. As novas células estavam presentes tanto no adesivo quanto no tecido cardíaco danificado.

Ruiz- Lozano e seus colegas já estão trabalhando em estudos para explorar o uso do adesivo como um sistema de entrega, juntamente com a realização de estudos de como o implante irá funcionar em animais maiores.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Implante de colágeno    Enfarto    Dano cardíaco    Universidade de Stanford    Pilar Ruiz- Lozano   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Implante de colágeno    enfarto    dano cardíaco    Universidade de Stanford    Pilar Ruiz- Lozano   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.