Ciência e Tecnologia
publicado em 28/08/2013 às 10h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Um exame de sangue capaz de detectar lesões precoces em órgãos transplantados pode permitir uma intervenção terapêutica mais oportuna em pacientes que receberam transplantes e, assim, ajudar a evitar mais danos.

O novo método, criado por pesquisadores da University Medical Center Göttingen, na Alemanha, usa a tecnologia Droplet Digital PCR (ddPCR?) para superar os obstáculos de testes anteriores, que eram tanto demorado quanto dispendiosos.

Pacientes de transplante são frequentemente sujeitos a rejeição de órgãos: a rejeição aguda de transplantes de fígado nos três anos seguintes é de quase 22%, enquanto o risco de rejeição de coração e pulmão é de cerca de 50%. Além disso, quase a metade de todos os transplantes de rins falha dentro de 10 anos.

DNA livre de células derivado do enxerto (GcfDNA) na circulação dos receptores de transplante é um biomarcador potencial de rejeição. No entanto, as tentativas anteriores para determinar GcfDNA, que requerem o sequenciamento paralelo do DNA do doador e do receptor, são caros e requerem um tempo longo de recuperação.

A equipe, então, desenvolveu um novo método na tentativa de solucionar estes inconvenientes.

Os pesquisadores aplicaram a tecnologia ddPCR? para quantificar o cfDNA em pacientes recentes de transplante hepático e em pacientes estáveis submetidos a um procedimento de transplante há mais de seis meses antes.

A tecnologia ddPCR lhes permitiu desenvolver um teste de laboratório de baixo custo e rápido, que detecta cfDNA sendo liberado na corrente sanguínea por células do órgão transplantado que estão morrendo.

"GcfDNA de células do enxerto que estão morrendo é o indicador mais direto e sensível da rejeição de órgãos e precisávamos de um instrumento que pudesse medir isso.DdPCR acrescentou um nível adicional de confiabilidade e precisão ao tradicional PCR", afirma o autor sênior do estudo Ekkehard Schuetz.

A equipe acredita que, agora, será capaz de detectar a rejeição subclínica e realizar a intervenção precoce capaz de evitar uma rejeição total. Este teste pode ser útil para personalizar imunossupressão e para melhorar os resultados a longo prazo", destacam os autores.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Exame de sangue    transplante de órgãos    rejeição    University Medical Center Göttingen   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.