Artigo
publicado em 24/07/2013 às 15h11:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: SBCM
Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM)
  « Anterior
Próxima »  
Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM)

Recentemente, o Governo Federal anunciou o Programa " Mais Médicos para o Brasil" , que estabelece a vinda de profissionais graduados fora do país sem revalidação do diploma, driblando o arcabouço legal. Pela mesma Medida Provisória, 621-2013, busca instituir que estudantes de medicina devem obrigatoriamente prestar serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS) pelo período de dois anos, muitas vezes sem que haja infraestrutura básica e supervisão necessária.

Atitudes imprudentes como essas colocam em risco a saúde da população e por isso têm sido duramente criticadas pelas entidades médicas. Pela academia e diversos setores da sociedade civil. Mas, afinal, qual seria a solução para a carência de médicos em regiões remotas?

Encaminhar médicos para locais que não possuem as condições mínimas para o atendimento é jogar dinheiro público pelo ralo. O profissional de saúde sozinho não resolve magicamente a precariedade da assistência pública. Pensar que isso será sanado o problema é simplificar algo que é muito maior. No SUS falta infraestrutura, medicamentos, equipe auxiliar capacitada e não apenas doutores. Quem usa sabe muito bem do que estou falando.

Uma alternativa inteligente seria criar um sistema em que os municípios interessados, após se inscreverem no Ministério da Saúde, receberiam a visita de representantes de uma comissão avaliadora formada por elementos do governo, entidades médicas e sociedades de especialidades que julgaria se a cidade possui as exigências imprescindíveis para o trabalho do médico. Assim seria possível documentar o retrato do SUS local, o que apontaria os investimentos prioritários.

Dessa forma, a melhoria seria realmente efetiva, porque quando fossem cumpridos os requisitos certamente não faltariam médicos.

Outra opção é formular um programa em que os formandos de Medicina servissem as Forças Armadas e dessa maneira contribuíssem para o SUS. Sempre ponderando se a localidade oferece o suporte físico e a supervisão suficientes para o exercício digno da profissão.

Ao invés de assumir uma postura autoritária, nossos governantes poderiam ouvir os profissionais de saúde, afinal vivemos em uma democracia, onde, teoricamente, a voz de todos deve ser levada em consideração.

Podemos pensar juntos em soluções práticas para a situação. Em linguagem direta: honestamente, o povo brasileiro está cansado de medidas paliativas.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Antonio Carlos Lopes    saúde pública não depende só de médicos    Mais médicos    Programa Mais Médicos   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.