Geral
publicado em 16/07/2013 às 07h45:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Bayer AG
Antiga sede da Bayer coberto pela maior caixa de aspirina do mundo, em 1999
  « Anterior
Próxima »  
Antiga sede da Bayer coberto pela maior caixa de aspirina do mundo, em 1999

A utilização de uma pequena dose de aspirina diariamente pode reduzir o risco de câncer colorretal, de acordo com estudo realizado com 40 mil mulheres com idades acima dos 45 anos.

"Depois de 18 anos de acompanhamento, constatamos uma redução de 20 % no câncer de cólon durante todo o período. Quando analisamos os resultados no espaço de 10 a 18 anos, a redução atingiu 42%, disse a pesquisadora Nancy Cook, professora de medicina do Hospital Brigham and Women e da Harvard Medical School.

" Os resultados não são rápidos. Começamos a registrar os efeitos a partir do décimo ano de tratamento. Também por esta motivo, é preciso considerar os riscos relacionados com a aspirina, como sangramento gastrointestinal," afirmou a pesquisadora.

A pesquisa acompanhou mulheres registradas no Women's Health Study , um estudo que avaliou os benefícios e riscos de baixa dose de aspirina e vitamina E na prevenção de doenças cardiovasculares e cânceres. As mulheres não tinham histórico de câncer (exceto câncer de pele não melanoma), doença cardiovascular ou de outras grandes doenças crônicas quando matriculadas.

As participantes do estudo foram divididas em dois grupos. O primeiro tomou 100 miligramas de aspirina diariamente, e o grupo de comparação recebeu pílulas de placebo em dias alternados.

Depois de terminado o estudo, os pesquisadores continuaram a acompanhar mais de 33 mil mulheres por mais 7 anos. As mulheres foram orientados a continuar o regime, embora os pesquisadores tivessem parado de fornecer os comprimidos.

O grupo tratado com aspirina apresentou mais sangramento gastrointestinal, um efeito colateral conhecido, e mais úlceras pépticas. Enquanto 8,3% do grupo da aspirina apresentaram hemorragia GI, as integrantes do grupo placebo tiveram 7,3%. As úlceras pépticas afetaram 7,3% do grupo da aspirina, e 6,2% do grupo do placebo.

O estudo foi publicado em 16 de julho do Annals of Internal Medicine.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Câncer colorretal    Câncer de cólon    Câncer    Aspirina    Nancy Cook    Hospital Brigham and Women    Harvard Medical School      
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
câncer colorretal    câncer de cólon    câncer    aspirina    Nancy Cook    Hospital Brigham and Women    Harvard Medical School       
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.