Geral
publicado em 04/07/2013 às 19h51:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Hannu Viitanen/Foto Stock
Problemas consanguíneos são o principal risco para ocorrência de defeitos congênitos
  « Anterior
Próxima »  
Problemas consanguíneos são o principal risco para ocorrência de defeitos congênitos

Os dois principais fatores associados ao aumento do risco de bebês nascerem com defeitos congênitos são mães mais velhas e pais com relações consanguíneas, afirma pesquisa desenvolvida na Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Outro importante resultado da pesquisa foi afastar a hipótese de que o nível sócio-econômico (níveis de privação) pode afetar o risco relativo de defeitos de nascença.

O estudo analisou informações detalhadas coletadas sobre mais de 11.3 mil bebês envolvidos no projeto Nascidos em Bradford (BiB), uma análise de longo prazo que acompanhou a saúde dos bebês que nasceram na cidade de Bradford entre 2007 e 2011. A equipe de pesquisa descobriu que a taxa global de má-formações congênitas nos bebês foi de aproximadamente 3%, quase o dobro da taxa nacional.

Segundo o Geneticista Eamonn Sheridan, um dos responsáveis pelo estudo, "é importante destacar que a grande maioria dos bebês nascidos de casais parentes de sangue são perfeitos, embora o casamento consanguíneo aumente o risco de defeito congênito de 3% a 6%, o risco absoluto é pequeno.

A cada ano, cerca de 1,7% dos bebês na Inglaterra e País de Gales nascem com problemas congênitos (cardíacos ou pulmonares ou síndromes como a de Down), que podem ser limitantes vida. Estes distúrbios ocorrem como resultado de interações complexas entre factores genéticos e ambientais, ou devido a danos causados por infecções tais como a rubéola e citomegalovírus.

Estima-se que mais de um bilhão de pessoas no mundo vivem em em comunidades onde o casamento consanguíneo é comum. O estudo Bradford / Leeds é o primeiro que capaz de explorar as potenciais causas de defeitos congênitos em uma população onde há um número suficiente de ambos os grupos consangüíneos e não-consangüíneos para chegar a conclusões confiáveis e estatisticamente significativas.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
defeito de nascimento    mãe mais velha    pais consanquíneos    relações de sangue    universidades de Bradford e Leeds    Eamonn Sheridan   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.