Ciência e Tecnologia
publicado em 04/07/2013 às 17h44:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

A atividade física reorganiza o cérebro diminuindo a interferência de condições como o estresse ou ansiedade nas funções normais.

A conclusão é de equipe de pesquisa da Universidade de Princeton (EUA). Os estudos mostraram que ratos que realizavam exercícios constantes, quando expostos à água fria (um elemento causador de estresse) tiveram um aumento na atividade dos neurônios diminuindo a excitação no hipocampo ventral, região do cérebro que regula ansiedade.

Estes resultados mostraram como o exercício é capaz de, ao mesmo tempo, reduzir a ansiedade e promover o crescimento de novos neurônios no hipocampo ventral. Seguindo os princípios científicos, os neurônios jovens são tipicamente mais empolgados que os mais maduros e, como o exercício cria novos neurônios, deveria trazer mais ansiedade, e não menos. Para responder a esta questão, os pesquisadores descobriram que o exercício também fortalece os mecanismos que impedem que essas células do cérebro disparem.

Do ponto de vista evolutivo, a pesquisa também mostra que o cérebro pode adaptar seus próprios processos de vida ao ambiente de um organismo. A maior probabilidade de comportamento ansioso pode ter uma vantagem adaptativa para criaturas mais fracas. A ansiedade muitas vezes se manifesta no comportamento de esquiva de situações potencialmente perigosas, o que aumentaria a probabilidade de sobrevivência, afirmou Elizabeth Gould, autora do estudo.

"Entender como o cérebro regula o comportamento ansioso nos dá melhores pistas sobre o potencial de ajudar as pessoas com transtornos de ansiedade. Estes estudos também nos dizem algo sobre como o cérebro se modifica para responder de forma otimizada para o seu próprio ambiente", disse Gould.

O estudo

Dois grupos de ratos participaram do estudo. Um dos grupos foi exposto a uma roda de exercícios, correndo até 4 quilômetros numa noite. Os animais do outro grupo, não tiveram acesso à roda. Após seis semanas, eles foram expostos a água fria, por um breve período de tempo.

Os cérebros dos ratos ativos e sedentários se comportou de maneira diferente logo que eles foram expostos à água. Nos neurônios dos camundongos sedentários a água fria estimulou um aumento dos genes de curta duração que foram rapidamente ativados. A falta desses genes nos neurônios de ratos ativos segurou este "salto" imediato das células do cérebro.

Veja o abstract do estudo

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Exercício reorganiza o cérebro    exercício    cérebro    stress    ansiedade    função normal do cérebro    Journal of Neuroscience    Universidade de Princeton    Elizabeth Gould   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.