Ciência e Tecnologia
publicado em 01/07/2013 às 17h57:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Sergey Nivens/Foto Stock
Resultados mostraram que neurônios aparentemente idênticos podem se comportar de formas diferentes
  « Anterior
Próxima »  
Resultados mostraram que neurônios aparentemente idênticos podem se comportar de formas diferentes

Epilepsia, batimentos cardíacos irregulares e outras condições causadas por defeitos nos neurônios podem ser difíceis de tratar. O problema é que um medicamento pode ajudar alguns pacientes, mas não outros. E é exatamente esta capacidade dos médicos de identificar qual a melhor terapia para cada caso que foi foco de pesquisa realizada na Universidade de Missouri (MU).

Os resultados mostraram que neurônios aparentemente idênticos podem se comportar de formas diferentes. "Parafraseando Leo Tolstoy, todo o sistema nervoso infeliz é infeliz à sua maneira", especialmente para os indivíduos com epilepsia e outras doenças", disse David Schulz, professor associado de Ciências Biológicas da Faculdade de Artes e Ciências do MU. O nosso estudo sugere que os neurônios de cada doente podem ser alterados de maneiras diferentes, embora a doença resultante seja a mesma. A mesma questão pode afetar o tratamento de arritmia cardíaca, depressão e muitas outras doenças neurológicas. "

A pesquisa também descobriu que mesmo os neurônios felizes podem ser felizes à sua maneira. Os neurônios têm uma atividade elétrica natural e são biologicamente programados para manter esta atividade. Se um neurônio não estiver nesse estado, a célula tenta restaurar. No entanto, ao contrário de pesquisas anteriores sobre o funcionamento dos neurônios, a pesquisa de Schulz descobriu que dois neurônios essencialmente idênticos podem alcançar a mesma atividade eléctrica preferida de diferentes maneiras.

No estudo de Schulz, neurônios individuais utilizados em diferentes combinações de poros celulares, conhecidos como canais iônicos, podem alcançar o mesmo objetivo final dos seus saldos eléctricos e químicas preferidas. Schulz comparou a situação de cinco pessoas em salas separadas que receberam conjuntos de blocos e forma instruídos a construir uma torre. Cada pessoa pôde desenvolver um método diferente para construir a mesma estrutura.

Em epilépticos, os neurônios do cérebro recebem pouca estimulação de outros neurônios. Esses neurônios epilépticos podem criar uma forma de compensação, tornando-se muito sensíveis. Então, quando os impulsos de outros neurônios alcançá-los, os epilépticos hiper-sensíveis podem ter uma grande reação, causando a convulsão.

Veja o abstract do estudo

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
células nervosas    neurônios    epilepsia    batimentos cardíacos irregulares    David Schulz    Universidade de Missouri   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.