Ciência e Tecnologia
publicado em 14/06/2013 às 12h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Andrew Hancock/Purdue University
Riyi Shi, líder da pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Riyi Shi, líder da pesquisa

Um exame médico desenvolvido para medir uma toxina encontrada em fumantes foi adaptada para medir a mesma toxina em pessoas que sofrem de lesões medulares e esclerose múltipla.

A abordagem oferece uma ferramenta potencial para reduzir os sintomas das duas condições.

A toxina, chamada acroleína, é produzida no corpo depois que as células nervosas são lesionadas, desencadeando uma cascata de eventos bioquímicos que pioram a gravidade da lesão. A acroleína também pode desempenhar um papel importante na esclerose múltipla e outras condições.

Como já existem drogas para reduzir a concentração de acroleína no organismo, ser capaz de detectar e medir a toxina de forma não invasiva pode avançar o tratamento. "Se o nível de acroleína é alto precisamos reduzir e já temos removedores de acroleína eficazes para fazer isso. Reduzir ou eliminar a acroleína pode diminuir a gravidade dos sintomas em pessoas que sofrem danos aos nervos, mas não havia uma maneira prática de monitorar os níveis de acroleína em trauma do sistema nervoso e doenças", afirma a pesquisadora Riyi Shi, da Purdue University.

Agora, a equipe aprimorou um método usado para detectar a toxina no cigarro. A abordagem atual não detecta a acroleína diretamente, mas determina a presença de um subproduto, ou metabolito, da acroleína na urina. O metabolito é um composto químico chamado N-acetil-S-3-Hydroxypropylcysteine, ou 3-HPMA. "A acroleína é muito volátil, de modo que não permanece estável por tempo suficiente para ser controlada, mas uma molécula de acroleína, como 3-HPMA, é muito estável na urina", ressalta Shi.

Ratos de laboratório foram injetados com doses diferentes de acroleína, e os resultados mostraram que a técnica de detecção é capaz de medir com precisão as diferenças na concentração de acroleína na urina. A técnica pode um dia ser realizada rotineiramente no consultório de um médico.

Segundo os pesquisadores, a natureza não invasiva de medir a concentração de 3-HPMA na urina permite o monitoramento de longo prazo de acroleína, nos animais e, em última análise, em estudos clínicos em seres humanos.

O método pode ser utilizado em conjunto com outras medidas para testar pacientes sobre o progresso da doença da medula espinhal.

Os pesquisadores descobriram que, maiores níveis de acroleína na urina correspondem à maior gravidade da lesão medular. Eles concluem que isto significa que reduzir a quantidade da toxina no organismo pode ajudar a controlar os sintomas da esclerose múltipla e da lesão na medula espinhal.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Lesão da medula    Esclerose múltiplas    Toxina acroleína    Riyi Shi    Purdue University   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Lesão da medula    Esclerose múltiplas    Toxina acroleína    Riyi Shi    Purdue University   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.