Ciência e Tecnologia
publicado em 07/06/2013 às 11h00:00
   Dê o seu voto:

Cientistas usam luz para bloquear comportamento compulsivo em ratos

 
tamanho da letra
A-
A+
Imagem: MCGOVERN INSTITUTE FOR BRAIN RESEARCH/SPUTNIK ANIMATION
Neurocientistas usaram a luz para controlar a atividade dos neurônios envolvidos no comportamento compulsivo.
  « Anterior
Próxima »  
Neurocientistas usaram a luz para controlar a atividade dos neurônios envolvidos no comportamento compulsivo.

Neurocientistas do Massachusetts Institute of Technology, nos EUA, descobriram uma maneira capaz de bloquear o comportamento compulsivo em ratos.

O resultado poderia ajudar os pesquisadores a desenvolver novos tratamentos para doenças como o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e a síndrome de Tourette.

O trabalho foi publicado na revista Science Magazine.

A equipe usou a optogenética para controlar a atividade dos neurônios com a luz. Esta técnica ainda não está pronta para uso em pacientes humanos, mas estudos como este podem ajudar os pesquisadores a identificar padrões de atividade do cérebro que sinalizam o início de comportamento compulsivo, o que lhes permite mais precisão o tempo de entrega de estimulação cerebral profunda.

Em estudos anteriores, a pesquisadora Ann Graybiel centrou-se sobre a forma de para hábitos normais, no trabalho atual, ela virou-se para um modelo de rato para tentar bloquear um comportamento compulsivo.

Os animais tiveram o DNA modificado para manifestarem atividades consideradas como TOC, como o alisamento de pelos da cabeça. Os modelos de ratos não tinha um gene em particular, conhecido como Sapap3.

A equipe treinou os ratos sem Sapap3 para serem compulsivos em um momento específico, permitindo que os pesquisadores tentassem interromper a compulsão.

Para fazer isso, eles usaram uma estratégia pavloviana de condicionamento em que um evento neutro (um tom) é emparelhado com um estímulo que provoca o comportamento desejado, neste caso, uma gota de água no nariz do rato, o que desencadeia o comportamento repetitivo.

Depois de vários ensaios, os ratos normais e os ratos sem o gene tornaram-se condicionados ao comportamento compulsivo ao ouvir o tom. No entanto, depois de um certo ponto os seus comportamentos divergiram: Os camundongos normais começaram a esperar a gota antes de agir, ou seja, mostraram uma otimização do comportamento, evitando desperdiçar esforço desnecessário.

Essa otimização do comportamento nunca apareceu nos camundongos sem o gene, que continuaram a repetir o comportamento compulsivo assim que ouviram o tom, sugerindo que a sua capacidade de suprimir o comportamento compulsivo foi prejudicada.

Os pesquisadores suspeitavam que a falha na comunicação entre o estriado, que está relacionado aos hábitos, e o neocórtex pode ser a culpada pelo comportamento compulsivo dos ratos.

Eles, então, usaram a optogenética, que lhes permite controlar a atividade das células por meio da luz. Quando os pesquisadores estimularam as células corticais sensíveis à luz que enviam mensagens para o estriado, ao mesmo tempo que soltaram o tom, os camundongos sem o gene pararam com o comportamento compulsivo quase que totalmente, mas eles ainda podiam agir quando a gota d'água caiu.

Os pesquisadores sugerem que esta cura resultou de sinais enviados pelos neurônios corticais a um grupo muito pequeno de neurônios inibitórios no estriado, que silenciou a atividade das células do corpo estriado vizinho e parou o comportamento compulsivo. "Com a ativação desta via, poderíamos provocar inibição de comportamento, que parece ser disfuncional em nossos animais", afirma o autor da pesquisa Eric Burguière.

A equipe acredita que a pesquisa representa um grande salto, tanto em termos de delinear a base do cérebro de um comportamento compulsivo e patológico quanto em oferecer possíveis caminhos para novas abordagens de tratamento.

Graybiel e Burguière estão agora procurando marcadores de atividade cerebral que poderiam revelar quando um comportamento compulsivo está prestes a começar, para ajudar a orientar o desenvolvimento de tratamentos de estimulação profunda do cérebro de pacientes com TOC.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia: Cientistas usam luz para bloquear comportamento compulsivo em ratos
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria: Cientistas usam luz para bloquear comportamento compulsivo em ratos


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Comportamento compulsivo    Compulsão    Transtorno obsessivo-compulsivo    TOC    Massachusetts Institute of Technology    Eric Burguière   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.