Geral
publicado em 05/06/2013 às 19h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cientistas da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, identificaram uma enzima que pode ser a chave para acelerar a cicatrização de feridas em pacientes diabéticos e idosos.

O estudo sugere que o bloqueio de uma enzima fundamental que produz o hormônio do estresse cortisol pode levar a uma melhor cicatrização.

A descoberta pode ser benéfica para pacientes com úlceras associadas ao diabetes, idosos que se submeteram à cirurgia ou aqueles com queimaduras, ajudando a prevenir infecção e, em alguns casos, a amputação.

A pesquisa foi publicada no Journal of Clinical Investigation.

Os pesquisadores descobriram que a cicatrização de feridas melhorou quando a enzima chamada 11ß-HSD1 foi excluída ou bloqueado. Inibidores desta enzima foram usados para acelerar a cicatrização de feridas.

A má cicatrização das úlceras é uma das principais complicações do diabetes, e pode levar a uma infecção ou até mesmo a amputação da área afetada.

Os resultados demonstram que a pele humana envelhecida, bem como exposta à luz solar, está associada com níveis mais altos de atividade 11ß-HSD1 em comparação com a pele mais jovem.

ß-HSD1 presente na pele gera cortisol, hormônio conhecido por afetar a integridade da pele. O cortisol tem um efeito negativo sobre o colágeno, que é importante para a elasticidade da pele e a capacidade de curar feridas. O excesso de cortisol mediado por 11ß-HSD1 resulta em uma rede de colágeno frouxa e uma pele com aparência envelhecida.

No entanto, bloqueando o gene de 11ßHSD1 em um grupo de camundongos, os pesquisadores descobriram que o afinamento da pele com uma rede de colágeno frouxa induzido pela pele foi impedido. Camundongos idosos tiveram a qualidade da pele semelhante à de animais jovens. A cicatrização de feridas nestes ratos foi acelerada (até 50%) em comparação com ratos que ainda tinham o gene.

Segundo os pesquisadores, resultado semelhante foi observado em ratos tratados com um inibidor de 11ß-HSD1. Isto conduz à possibilidade de utilizar um inibidor tópico de 11ßHSD1 para combater deficiências na pele relacionadas com a idade, ou mesmo auxiliar o processo de cicatrização de feridas em pacientes com úlceras associadas diabetes.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Cicatrização de feridas    Enzima11ß-HSD1    Úlceras diabéticas    Queimaduras    Universidade de Birmingham   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.