Ciência e Tecnologia
publicado em 05/06/2013 às 11h20:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: CSIRO
Foto: CSIRO
Teste determina quão estáveis as células iPS são quando cultivadas em laboratório Dr. Andrew Laslett, líder da pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Teste determina quão estáveis as células iPS são quando cultivadas em laboratório
Dr. Andrew Laslett, líder da pesquisa

Cientistas da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation, CSIRO, na Austrália desenvolveram um teste para melhorar a segurança de células-tronco usadas em laboratório.

O teste, descrito na revista Stem Cells, é o primeiro teste de segurança especificamente para células-tronco pluripotentes induzidas humanas (iPS).

A descoberta é um passo significativo na melhoria da qualidade de células iPS e identificação de células que podem formar tumores indesejados. O teste também determina quão estáveis as células iPS são quando cultivadas em laboratório.

O líder da pesquisa Andrew Laslett e sua equipe passaram os últimos cinco anos trabalhando no projeto. A investigação centrou-se na comparação entre os diferentes tipos de células iPS e células estaminais embrionárias humanas. As células iPS são agora o tipo de célula-tronco pluripotente mais comumente utilizado para a pesquisa.

"O teste que desenvolvemos nos permite identificar facilmente as células iPS inseguras. Garantir a segurança dessas linhas de células é primordial e esperamos que esse teste se torne um exame de rotina como parte do desenvolvimento de terapias baseadas em células iPS seguras e eficazes", observa Laslett.

Usando o novo método de teste, a equipe mostrou que certas maneiras de criar células iPS oferecem mais riscos. Quando a técnica padrão é utilizada, à qual se baseia em um vírus para alterar permanentemente o DNA de uma célula, é maior a propensão a formar tumores. Em comparação, as células feitas utilizando métodos que não alteram o DNA celular não formam tumores.

Laslett espera que o estudo e o novo método de teste possam ajudar a aumentar a conscientização e importância da segurança com células-tronco e levar a melhorias no controle de qualidade a nível mundial.

"É amplamente aceito que as células iPS feitas usando os vírus não devem ser utilizadas para tratamento de seres humanos, mas também podem ser utilizadas em pesquisas para compreender doenças e identificar novas drogas", afirma Laslett.

O ensaio utiliza a tecnologia laser para identificar proteínas encontradas na superfície das células. Com base na presença ou ausência de proteínas específicas, as células são então separadas e monitoradas. Linhas de células estaminais inseguras são facilmente identificadas porque elas formam aglomerados reconhecíveis de células e as seguras não.

Veja mais detalhes sobre esta pesquisa (em inglês).

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Células-tronco    Células-tronco pluripotentes induzidas    CSIRO    Andrew Laslett   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Células-tronco    células-tronco pluripotentes induzidas    CSIRO    Andrew Laslett   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.