Geral
publicado em 29/05/2013 às 11h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Equipe de pesquisadores da University of Texas, nos EUA, identific ou dois complexos baseados no rutênio capazes de controlar o crescimento de células de câncer.

Os compostos do metal agem de forma mais eficaz e menos tóxico para os pacientes que as quimioterapias usadas atualmente.

O pesquisador Fred MacDonnell e seus colegas vêm pesquisando uma nova geração de agentes antitumorais com base em metais. Seu objetivo é encontrar novas terapias para complementar as terapias à base de platina, amplamente utilizadas, tais como a cisplatina. A cisplatina é uma das drogas mais usadas contra o câncer e mostra notável eficácia contra alguns tipos de câncer, no entanto, não funciona em todos os tipos da doença e pode ter efeitos colaterais graves.

A equipe agora descreveu dois complexos de rutênio polipiridilpaládio, ou RPCS, recém-desenvolvidos que renderam resultados comparáveis à cisplatina contra células do câncer de pulmão humano em exames laboratoriais pré-clínicos.

Ao contrário da cisplatina, os RPCs foram eliminados do organismo inalterado, sem efeitos significativos sobre o metabolismo ou a função dos rins. Em testes de laboratório, as células saudáveis suportaram quase 10 vezes mais exposição a complexos de rutênio como as células cancerosas.

O estudo também descobriu que as RPCs parecem atingir as células em estados de hipóxia. A hipóxia, ou baixo teor de oxigênio, é uma assinatura das células tumorais.

"As drogas anticâncer no mercado geralmente são menos eficazes em condições de hipóxia ou insensíveis à concentração de oxigênio. Uma vez que muitas células tumorais estão sob estresse hipóxico e as células normais não, ter algo que se torna ainda mais eficaz sob hipóxia poderia ter algum benefício real para o paciente", afirma MacDonnell.

Segundo os pesquisadores, ser ativado em condições de baixo oxigênio faz com que estes complexos sejam excelentes candidatos únicos para o uso em alguns dos tumores mais difíceis de tratar.

MacDonnell afirma que a maior eficácia dos complexos de rutênio contra células malignas pode ocorrer porque os complexos podem entrar mais facilmente nas células cancerosas, que tendem a ser metabolicamente mais ativas do que as células normais. Essa hipótese, no entanto, é algo que a equipe irá explorar com mais pesquisas.

O trabalho foi publicado na revista Molecular Cancer Therapeutics.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Rutênio    Compostos de rutênio    Quimioterapia    Efeitos Colaterais    Anticâncer    University of Texas    Fred MacDonnell   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.