Geral
publicado em 29/05/2013 às 09h45:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Daniel Sroga/Foto Stock
Pesquisa mostrou que as mulheres que consumiam as bactérias benéficas contidas no iogurte tinham suas funções cerebrais alteradas
  « Anterior
Próxima »  
Pesquisa mostrou que as mulheres que consumiam as bactérias benéficas contidas no iogurte tinham suas funções cerebrais alteradas

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles, nos EUA, encontraram a primeira evidência de que as bactérias ingeridas nos alimentos podem afetar a função cerebral em seres humanos.

O estudo, feito com voluntárias saudáveis, mostrou que as mulheres que consumiam as bactérias benéficas contidas no iogurte tinham suas funções cerebrais alteradas, tanto em estado de repouso quanto em resposta a uma tarefa de reconhecimento de emoções.

A descoberta de que a mudança do ambiente das bactérias, a chamada microbiota, no intestino pode afetar o cérebro traz implicações significativas para pesquisas futuras que pode levar a intervenções dietéticas ou drogas capazes de melhorar o funcionamento do cérebro.

"Muitos de nós temos um iogurte na geladeira que podemos comer por prazer, para obter cálcio ou porque achamos que pode ajudar a nossa saúde de outras formas. Nossas descobertas indicam que o conteúdo do iogurte pode realmente mudar a forma como o nosso cérebro responde ao meio ambiente. Quando consideramos as implicações deste trabalho, os velhos ditados "você é o que você come" e "sentimentos viscerais" podem assumir novos significados", observa a principal autora da pesquisa Kirsten Tillisch.

Estudos anteriores mostraram que o cérebro envia sinais para o intestino e é por isso que o estresse e outras emoções podem contribuir para os sintomas gastrointestinais. Agora, este trabalho mostra algo de que se suspeitava, mas até agora tinha sido provado apenas em estudos com animais: que os sinais viajam também no sentido oposto.

"De tempos em tempos, sabemos de pacientes que nunca sentiram deprimidos ou ansiosos, até que começaram a ter problemas com seu intestino. Nosso estudo mostra que a conexão intestino-cérebro é uma via de mão dupla", observa Tillisch.

A equipe reuniu 36 mulheres com idades entre 18 e 55 anos. Os pesquisadores dividiram as mulheres em três grupos: um grupo comeu um iogurte específico contendo uma mistura de vários probióticos duas vezes por dia, durante quatro semanas; outro grupo consumiu um produto lácteo que imitava o iogurte, mas não continha probióticos, e um terceiro grupo não tomou nenhum dos dois produtos.

Exames de ressonância magnética realizados antes e após o período de quatro semanas mostraram que as mulheres que consumiram probióticos tiveram uma conectividade maior entre uma região conhecida como substância cinzenta periaquedutal e áreas de cognição associadas ao córtex pré-frontal em repouso.

Mulheres que não tomaram nenhum tipo de produto, por outro lado, mostraram maior conectividade nessa área para a emoção e em outras regiões ligadas a sensações.

Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que os efeitos cerebrais podem ser vistos em muitas áreas, incluindo aquelas envolvidas no processamento sensorial e não apenas aquelas associados com emoção.

"O conhecimento de que os sinais são enviados a partir do intestino para o cérebro e que eles podem ser modulados por alterações na dieta é susceptível de conduzir a uma expansão da pesquisa destinada a encontrar novas estratégias para prevenir ou tratar desordens digestivas, mentais e neurológicas", afirma o autor sênior Emeran Mayer.

A equipe acredita que quando a complexidade da flora intestinal e seus efeitos sobre o cérebro puderem ser melhor compreendidos, os investigadores podem encontrar maneiras de manipular os conteúdos intestinais para o tratamento de condições de dor crônica ou outras doenças relacionadas com o cérebro, incluindo, potencialmente, doença de Parkinson, Alzheimer e autismo.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Bactérias do intestino    Probióticos    Microbiota    Funções cerebrais    Universidade da Califórnia    Kirsten Tillisch   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.