Profissão Saúde
publicado em 28/05/2013 às 12h16:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Estudo da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), constatou que a força da mordida dos pacientes com artrite reumatoide pode contribuir para o diagnóstico da doença, antes que ocorram alterações irreversíveis.

"Constatamos que a região orofacial desses pacientes tem, de fato, mais alterações do que na população saudável, incluindo menor força de mordida. A avaliação da ATM deveria, portanto, constar em consultas padrão, como forma de controlar a inflamação e a doença", disse Jamil Natour, professor de Reumatologia da Unifesp e coordenador da pesquisa.

Na avaliação da ATM, os pesquisadores acompanharam dois grupos: o grupo denominado AR (artrite reumatoide), constituído por 75 pacientes da Unifesp; e o grupo controle, com 75 adultos sem doença aguda nem crônica e sem queixas na região da ATM - voluntários que compareceriam à instituição para fazer exames de rotina, doar sangue ou acompanhar pacientes. "Todos os participantes eram do sexo feminino," explicou Natour.

"Verificamos que a menor força de mordida acompanha a diminuição da força nas mãos, mostrando que a região orofacial tem acometimento concomitante a outras partes do aparelho musculoesquelético e deve, portanto, ser acompanhada e avaliada", afirmou o pesquisador.

A artrite reumatoide acomete de 0,5 a 1% da população e em geral surge entre os 30 e 40 anos - embora possa aparecer em qualquer idade. Quanto mais intensa e prolongada a exposição à inflamação articular, maiores as lesões que a doença pode provocar.

O comprometimento ou não da ATM depende de fatores como idade, tempo de doença, número de articulações com edemas, presença de fator reumatoide (anticorpo presente em cerca de 90% dos pacientes com artrite reumatoide) e resultados dos exames proteína C reativa e velocidade de hemossedimentação. Mas Natour lembra que "tais exames são inespecíficos - qualquer doença inflamatória, até uma gripe, pode alterá-los - e o diagnóstico é clínico".

Comprovada a necessidade de acompanhar as alterações provocadas pela artrite reumatoide na ATM, o passo seguinte é pensar em intervenções que possam melhorar as funções da boca e da face e a qualidade de vida dos pacientes. Nesse sentido, agora já se sabe que a primeira medida deve ser uma atenção mais cuidadosa à avaliação oral de quem tem a doença.

Com informações da Fapesp

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
articulação temporomandibular    ATM    mandíbula    Escola Paulista de Medicina    Universidade Federal de São Paulo    EPM    Unifesp    Fapesp    orofacial    Jamil Natour    Reumatologia   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.