Artigo
publicado em 24/05/2013 às 13h33:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Cremers
Rogério Wolf de Aguiar, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).
  « Anterior
Próxima »  
Rogério Wolf de Aguiar, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers).

Já há alguns anos o governo federal insiste em facilitar o ingresso no país de médicos formados em Cuba, sob o pretexto de que os médicos brasileiros rejeitam trabalhar nos lugares mais distantes do nosso imenso território. Agora, o governo anuncia que irá contratar 6 mil médicos cubanos.

O Cremers e todas as entidades médicas brasileiras são frontalmente contrários a essa iniciativa, que antes de tudo contraria a legislação e, o que é intrigante, ignora um programa do próprio governo, o Revalida, criado para avaliar a capacidade do médico formado no exterior e não apenas em Cuba que deseja exercer a medicina no Brasil.

É preciso deixar muito claro que não há falta de médicos no país. O censo que o Conselho Federal de Medicina divulgou recentemente mostra que o Brasil tem, em média, mais que o dobro do preconizado pela Organização Mundial da Saúde. Entretanto, há uma enorme irregularidade na distribuição dos médicos, que se concentram nos grandes centros urbanos.

Antes de importar médicos, independentemente da nacionalidade, o governo deveria, isto sim, criar um programa de interiorização, que começaria pela criação de uma carreira de estado para os médicos e demais profissionais da saúde.

É conveniente para a União dizer que os médicos brasileiros não querem trabalhar nos lugares mais remotos. É uma forma de isentar-se da responsabilidade que tem pelo subfinanciamento do Sistema Único de Saúde e pela ausência de uma política de saúde que regionalize o atendimento. Quantos hospitais regionais foram construídos ou equipados no Rio Grande do Sul, para que os pacientes tivessem atendimento próximo de suas residências, sem necessidade de deslocamento para a Capital? Nenhum.

Faltam médicos no SUS como podem confirmar todos aqueles que esperam meses até conseguir atendimento médico - e sobra desfaçatez para remunerar os médicos em R$ 2,00 por consulta ambulatorial e cerca de R$ 10,00 por consulta especializada.

Os prefeitos se queixam de que faltam médicos. Sim, e as razões para isso são muitas, entre elas: empregos sem estabilidade; nenhuma garantia de que irão permanecer ao final do mandato do prefeito; falta de equipamentos, materiais e dificuldades de acesso a exames laboratoriais. Some-se a isso, ainda, a inexistência de um sistema regulador eficiente de leitos.

Nesse contexto, teremos mais um médico perdido num local distante, com um paciente grave na sua frente, pendurado horas num telefone, tentando conseguir transferência do enfermo. Isto acontece diariamente em nosso Estado, não apenas na Amazônia. O médico não é uma ilha, não trabalha isolado, sem apoio, sem suporte.

O outro ponto crítico é a intenção de revalidação automática de diploma, passando por cima dos jovens que se submetem ao vestibular, cursam uma faculdade inteira, e fazem residência médica. É uma temeridade e uma irresponsabilidade permitir que pessoas com diploma médico obtido no exterior exerçam a medicina sem passar por qualquer processo de avaliação. É um risco à população.

Continuamos com o nosso lema: não se faz saúde sem médicos. Mas médicos que cumpram as leis brasileiras, que sejam devidamente fiscalizados, e que tenham comprovada sua qualificação. Médicos que possam encontrar nos locais de trabalho um mínimo de condições para exercer a profissão com dignidade.

Fonte: CREMERS
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
CREMERS    Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul    Dr. Rogério Wolf de Aguiar    O médico não é uma ilha    SUS    importação de médicos    Conselho Federal de Medicina   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.