Geral
publicado em 22/05/2013 às 12h27:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Aditivo químico presente em alimentos processados e embalagens plásticas pode causar aumento da pressão arterial de crianças e adolescentes. É o que mostra estudo realizado na NYU Langone Medical Center, nos EUA.

A pesquisa sugere que a exposição aos ftalatos pode representar um risco para a saúde cardíaca dos jovens.

O trabalho foi descrito no The Journal of Pediatrics.

Baseando-se em dados de uma pesquisa nacional de cerca de 3 mil crianças e adolescentes, os pesquisadores documentaram, pela primeira vez, uma ligação entre a exposição alimentar a DEHP (di-2-ethyhexylphthalate), classe comum de ftalato amplamente utilizada na produção industrial de alimentos, e a elevação da pressão arterial sistólica.

"Os ftalatos podem inibir a função das células cardíacas e causar estresse oxidativo, que compromete a saúde das artérias. Mas ninguém tinha explorado a relação entre a exposição ao ftalato e saúde do coração em crianças", afirma o principal autor Leonardo Trasande.

A hipertensão arterial é definida clinicamente como uma leitura da pressão arterial sistólica acima de 140 mmHg. É mais comum em pessoas com mais de 50 anos de idade, embora a condição esteja se tornando cada vez mais prevalente entre as crianças devido à epidemia de obesidade global. Pesquisas nacionais recentes indicam que 14% dos adolescentes americanos agora têm pré-hipertensão ou hipertensão. "A obesidade está impulsionando a tendência, mas nossos resultados sugerem que fatores ambientais também podem ser parte do problema. Isto é importante porque a exposição de ftalato pode ser controlada por meio de intervenções reguladoras e comportamentais", observa o pesquisador.

A equipe examinou seis anos de dados de uma pesquisa nacional representativa da população dos EUA. Ftalatos foram medidos em amostras de urina utilizando técnicas de análise convencionais.

Os resultados mostraram que cada aumento de três vezes no nível dos produtos de degradação de DEHP na urina foi correlacionado com cerca de aumento de um milímetro de mercúrio na pressão sanguínea das crianças e adolescentes. "Esse aumento pode parecer muito modesto no nível individual, mas em um nível populacional tais mudanças na pressão sanguínea podem aumentar o número de crianças com pressão arterial elevada substancialmente. Nosso estudo enfatiza a necessidade de iniciativas políticas que limitam a exposição a substâncias químicas ambientais perturbadoras, em combinação com intervenções dietéticas e comportamentais voltadas para a proteção da saúde cardiovascular", conclui Trasande.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Ftalato    aditivo químico    alimentos processados    pressão arterial    hipertensão infantil    NYU Langone Medical Center    Leonardo Trasande   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.