Ciência e Tecnologia
publicado em 17/05/2013 às 18h40:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: University of Texas at Arlington
Samarendra Mohanty, envolvido no estudo
  « Anterior
Próxima »  
Samarendra Mohanty, envolvido no estudo

Ferramenta desenvolvida por pesquisadores da University of Texas em Arlington, nos EUA, pode ajudar os cientistas a mapear e controlar as interações entre os neurônios dentro de diferentes áreas do cérebro.

O novo método tem potencial para mostrar como as diferentes partes do cérebro reagem quando uma área relacionada é estimulada.

Os resultados foram publicados na revista Optics Letters.

A ferramenta baseia-se na descoberta de que a luz de infravermelha pode ser utilizada para estimular uma proteína sensível à luz introduzida em células vivas e neurônios no cérebro.

A tecnologia seria útil no mapeamento cerebral. "Os cientistas têm gasto muito tempo olhando para as conexões físicas entre as diferentes regiões do cérebro. Mas essa informação não é suficiente, a menos que possamos examinar como essas conexões funcionam. É onde a optogenética de dois fótons entra em jogo. Esta é uma ferramenta não só para controlar a atividade neuronal, mas para entender como o cérebro funciona", afirma o líder da pesquisa Samarendra Mohanty.

A estimulação por optogenética de dois fótons envolve a introdução do gene para ChR2, proteína que responde à luz, em uma amostra de células excitáveis. Um feixe luz infravermelho de fibra óptica é então usado para excitar precisamente os neurônios em um circuito de tecido.

No cérebro, os investigadores podem então observar as respostas na área excitada, bem como em outras partes do circuito neural. "Em indivíduos vivos, os cientistas também podem observar o resultado comportamental", observa Mohanty.

Segundo os pesquisadores, a estimulação optogenética evita danos ao tecido vivo usando a luz para estimular os neurônios, em vez de pulsos elétricos utilizados em pesquisas anteriores.

O método com a luz infravermelha de baixa energia também permite mais precisão e um enfoque mais profundo do que a luz azul ou verde frequentemente utilizada na estimulação optogenética.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Mapeamento cerebral    luz infravermelha    neurônios    University of Texas em Arlington    Samarendra Mohanty   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.