Foto Saúde
publicado em 07/05/2013 às 18h02:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Tânia Rêgo/ABr
Foto: Tânia Rêgo/ABr
Foto: Tânia Rêgo/ABr
Carretinha da Saúde no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro Complexo do Alemão recebe unidade móvel de combate à hanseníase. Em ação, realizada pelo Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) Médicos voluntários atendem na unidade móvel promovendo o diagnóstico imediato da doença e encaminhando os pacientes ao tratamento
  « Anterior
Próxima »  
Carretinha da Saúde no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro
Complexo do Alemão recebe unidade móvel de combate à hanseníase. Em ação, realizada pelo Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan)
Médicos voluntários atendem na unidade móvel promovendo o diagnóstico imediato da doença e encaminhando os pacientes ao tratamento

Os moradores do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, que tiverem dúvidas sobre a hanseníase podem contatar voluntários do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) para receber esclarecimentos. De hoje (7) a quinta-feira (9), a Carretinha da Saúde, um veículo da organização, está estacionada atrás do Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes e atenderá das 9h às 15h.

Também participam da campanha médicos voluntários que respondem as perguntas dos moradores e fazem exames para diagnosticar a doença, e atores, que promovem palestras e peças teatrais em escolas da comunidade, com o objetivo de combater o preconceito.

A médica voluntária, Mariana Cardoso, explicou que o principal problema para o tratamento da doença é a demora do diagnóstico. " A hanseníase é uma doença de transmissão rara, é preciso um contato prolongado - de quatro a cinco anos - para o contágio".

Mariana esclareceu que, se diagnosticada precocemente, a doença é totalmente curável. "O grande problema do diagnóstico tardio são as sequelas graves, que causam limitações físicas e mutilações" .

Segundo o Mohran, o Brasil é o primeiro lugar no ranking mundial da prevalência da doença. Em 2011, cerca de 30 mil casos foram identificados em todo o território nacional, principalmente em menores de 15 anos. A hanseníase tem cura e o tratamento é gratuito. Os medicamentos estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS) e a duração do tratamento é de seis meses a um ano.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase    Morhan    Carretinha da Saúde    Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes    Complexo do Alemão    Sistema Único de Saúde   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.