Geral
publicado em 06/05/2013 às 10h05:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cientistas da Universidade da California, San Francisco, nos EUA, controlaram convulsões epilépticas em ratos com um transplante de células cerebrais.

As células transplantadas inibem a sinalização em circuitos nervosos hiperativos no hipocampo, região do cérebro associada a convulsões, bem como à aprendizagem e memória.

A terapia celular aumenta as esperanças para a cura de formas humanas graves da condição.

"Nossos resultados são um passo encorajador em direção ao uso de neurônios inibitórios para o transplante de células em adultos com formas graves de epilepsia. Este procedimento oferece a possibilidade de controlar as convulsões e resgatar déficits cognitivos em pacientes", afirma o líder da pesquisa Scott C. Baraban.

O trabalho aparece na revista Nature Neuroscience.

Durante crises epilépticas, contrações musculares extremas e, muitas vezes, uma perda de consciência podem levar pessoas que têm convulsões a perder o controle, cair e às vezes ficarem gravemente feridas. O mal funcionamento invisível por trás destes efeitos é a ignição anormal de muitas células nervosas excitatórios no cérebro, ao mesmo tempo.

As células inibitórias transplantadas extinguiu este síncrono, eliminando convulsões em metade dos ratos tratados e reduzindo drasticamente o número de convulsões espontâneas no restante.

Em outro passo encorajador, os pesquisadores relataram ter encontrado uma maneira confiável de gerar células MGE como humanas em laboratório e que, quando transplantadas em ratos saudáveis, essas células agiram de forma semelhante às células nervosas inibidoras funcionais.

Em muitas formas de epilepsia, perda ou disfunção de células nervosas inibitórias no interior do hipocampo desempenham um papel crítico. Células MGE são células progenitoras que se formam mais cedo no embrião e são capazes de gerar células nervosas maduras chamadas interneurônios inibitórios. No estudo, as células MGE transplantadas de embriões de camundongos migraram e substituíram as células que falham na epilepsia.

"Este é o primeiro relatório de um rato modelo de epilepsia em que ratos adultos que já estavam tendo convulsões pararam de ter convulsões após o tratamento", conclui Baraban.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Epilepsia    Crises epiléticas    Convulsões    Universidade da California    Scott C. Baraban   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Epilepsia    crises epiléticas    convulsões    Universidade da California    Scott C. Baraban   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.