Geral
publicado em 18/04/2013 às 19h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores do Albert Einstein College of Medicine da Yeshiva University, nos EUA, descobriram como ocorre a regulação da proteína que impede a multiplicação do HIV-1 nas células brancas do sangue.

A descoberta pode levar a novas abordagens para tratar o HIV-1 "escondido", ou seja, eliminando reservatórios do vírus que persistem em pacientes submetidos à terapia antirretroviral.

O estudo foi publicado na revista Cell Host & Microbe.

A terapia antirretroviral pode reduzir os níveis sanguíneos de HIV-1, até que não sejam detectáveis. No entanto, apesar da terapia com drogas, reservatórios de HIV-1 podem persistir em vários tipos de glóbulos brancos, particularmente os macrófagos, células imunes importantes que ajudam a remover patógenos e outras substâncias prejudiciais do organismo.

"Se você parar a terapia antirretroviral, o vírus emerge destes reservatórios e retorna para a circulação geral em questão de dias, como se o paciente nunca tivesse sido tratado. Agora sabemos que a proteína que precisamos controlar para impedir a formação dos reservatórios de HIV-1", afirma o autor sênior Felipe Diaz-Griffero.

Os cientistas sabem que uma proteína chamada SAMHD1 impede o HIV-1 de se replicar em certas células do sistema imunológico. Mas, até agora, não foi entendido por que SAMHD1 não funciona em células do sistema imunológico, como os macrófagos, que são vulneráveis à infecção pelo vírus.

Utilizando uma ferramenta para determinar a composição molecular, os pesquisadores descobriram que SAMHD1 pode existir em duas configurações conhecidas como fosforilada e não fosforilada. (A fosforilação é um importante processo celular no qual os grupos de fosfato se unem a outras moléculas, ativando assim sinalizações e mecanismos de regulação diferentes no interior da célula.).

Quando SAMHD1 é fosforilada, a célula não está protegida de ser infectada com HIV-1. Quando a proteína não é fosforilada, a célula está protegida contra infecção pelo vírus.

"No momento, estamos explorando maneiras de manter esta proteína não fosforilada para que os reservatórios de HIV nunca sejam formados", conclui Diaz-Griffero.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Reservatórios de HIV    AIDS    vírus da AIDS    Albert Einstein College of Medicine    Felipe Diaz-Griffero   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.