Ciência e Tecnologia
publicado em 17/04/2013 às 10h51:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: The Karp Laboratory/Brigham and Women's Hospital
Foto: The Karp Laboratory/Brigham and Women's Hospital
Interpretação artística do verme espinhoso Pomphorhynchus laevis
  « Anterior
Próxima »  
"Cama-de-agulhas" mantém enxertos de pele firmemente no lugar, sem a necessidade de grampos
Interpretação artística do verme espinhoso Pomphorhynchus laevis

Cientistas americanos criaram um adesivo de ' microagulhas' com super aderência capaz de acelerar a cura de feridas cirúrgicas.

A "cama-de-agulhas", inspirada em um verme parasita que vive no intestino de peixes e agarra-se a ele usando seus ' pregos' , mantém enxertos de pele firmemente no lugar, sem a necessidade de grampos.

Segundo os pesquisadores, o adesivo é três vezes mais forte do que os materiais utilizados atualmente para pacientes com queimaduras.

Os resultados foram descritos na revista Nature Communications.

A equipe afirma ainda que o adesivo também pode entregar drogas terapêuticas por meio de suas agulhas minúsculas.

A maioria das bandagens adesivas fixa mal na pele molhada. Grampos e pontos de ancoragem podem ajudar a fixar enxertos de pele, mas inevitavelmente causam algum trauma para o tecido.

Para contornar este problema, Jeffrey Karp e seus colegas do Brigham and Women's Hospital analisaram a natureza sob a forma de um verme parasita chamado Pomphorhynchus laevis.

O parasita se fixa na superfície escorregadia do intestino hospedeiro usando pontas de microagulhas que perfuram a superfície e, em seguida, uma vez molhada, incha para se encaixar apertado.

Isto significa que as agulhas causam poucos danos conformem penetram, mas alcançam a máxima aderência.

O novo adesivo imita essa ação usando agulhas de plástico com pontas que são rígidas quando secas, mas incham depois de terem perfurado o tecido molhado.

"A concepção permite que uma única agulha fure o tecido, com o mínimo de danos. Além disso, quando chega o momento de remover a cola, em comparação com os grampos, o trauma causado ao tecido, sangue e nervos é menor e há redução no risco de infecção", afirma Karp.

O invento pode ser um dia uma alternativa para os grampos e suturas utilizadas na sala de operações para fixar enxertos de pele em pacientes com feridas graves, como resultado de queimaduras, infecção, câncer e outros traumas.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Adesivo de microagulhas    feridas cirúrgicas    queimadura    cama-de-agulhas    Brigham and Women's Hospital    Jeffrey Karp   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.