Geral
publicado em 11/04/2013 às 14h07:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Elza Fiúza/ABr
André Longo, diretor-presidente da ANS
  « Anterior
Próxima »  
André Longo, diretor-presidente da ANS

Em audiência realizada quarta-feira (10), na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados, André Longo, diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), enfatizou que o foco da agência não é multar as operadoras de planos de saúde. " A agência não acredita no poder indutor da multa como solução para mudar comportamento das operadoras" , disse.

Segundo o diretor, o índice de arrecadação de multa da ANS não chega a 2% do valor das multas aplicadas. Ele disse que apesar disso a agência vai não só continuar com o sistema de multas como vai aumentar o valor delas. Hoje, o valor máximo das multas é R$ 1 milhão, com a mudança prevista, os processos serão avaliados por tema e por operadora e as multas serão semestrais, podendo chegar a R$ 16 milhões.

O diretor disse que a ANS pretende contratar 200 pessoas para analisar os processos pendentes. O diretor explicou que a postura da agência tem sido mais rigorosa nos últimos três anos.

Na audiência foi discutido o fato de os planos coletivos, que não tem o reajuste regulado pela ANS, ser detentor de 80% dos beneficiários dos planos de saúde. Alguns deputados citaram a dificuldade de se contratar um plano individual, já que as operadoras de plano de saúde estão interessadas em ofertar planos coletivos, que tem um maior liberdade perante a ANS. André Longo disse que a agência não tem como obrigar as operadoras a disponibilizarem planos individuais.

Ele citou outro problema que é a falta de regulação da relação entre os prestadores de serviço (os profissionais de saúde) e as operadoras. " O marco regulatório não é perfeito, tem uma série de imperfeições que precisam ser discutidas" , disse o diretor.

Na audiência, marcada para debater os processos propostos em face de irregularidades cometidas por planos de saúde contra os beneficiários, a advogada representante do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) lembrou que o setor de planos de saúde é o que mais recebe reclamações há 11 anos.

Em 2012, 78% das reclamações referentes à negativa de cobertura foram solucionadas por mediação de conflito, sem a abertura de processo. A advogada que representou a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Polyanna da Silva, acha que a conciliação por meio da agência não é o melhor caminho, pois, dessa forma as operadoras podem passar a negar serviços sabendo que só vão prestá-los a quem recorrer à agência.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
ANS    Agência Nacional de Saúde Suplementar    multar planos de saúde    Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados    Idec    Proteste   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.