Geral
publicado em 11/04/2013 às 09h43:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

De acordo com o novo estudo, liderado por Harriet Mills, da Universidade de Bristol (Reino Unido), em comunidades que implementam a terapia preventiva com isoniazida (IPT) a incidência pacientes isoniazida-resistentes vai dobrar, a cada ano, pelos próximos 40 anos.

O ingrediente principal do coquetel de drogas para curar a tuberculose, a isoniazida, também pode proteger as pessoas de contrair a doença. Essa segunda função é particularmente importante para aqueles com sistemas imunológicos frágeis que muitas vezes adquirem e morrer de tuberculose. Na África subsaariana, a tuberculose é a principal causa de morte entre as pessoas infectadas pelo HIV. Na luta contra este cenário, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a isoniazida como uma terapia preventiva para pacientes HIV-positivos que ainda não tenham apresentado sinais de tuberculose ativa.

O Estudo, publicado nesta quarta-feira (10) na revista Science Translational Medicine, ilustra a escolha perversa que especialistas em saúde pública devem fazer entre prevenção de doenças e preservação da eficácia de um tratamento. Quando se trata de tuberculose, o relatório conclui que a profilaxia vem com um custo mais elevado do que o anteriormente reconhecido.

O tratamento da tuberculose típica que inclui isoniazida dura seis meses. Mas quando a isoniazida não pode ser utilizado, um paciente tem de suportar um tratamento mais longo, com o uso injecções e de uma dúzia de comprimidos por dia, durante dois anos. Tratamento que apresenta sérios efeitos colaterais como convulsões e perda permanente de audição.

O custo destes tratamentos para pacientes isoniazida-resistentes é outro sério problema de saúde pública . África do Sul gasta metade do seu orçamento para doença em tuberculose multirresistente, embora apenas 3% dos casos de tuberculose sejam resistentes a drogas, diz Ramanan Laxminarayan, diretor do Center for Disease Dynamics, Economics & Policy com sede em Washington (EUA).

Karin Weyer, coordenadora do Departamento de tuberculose da OMS s Stop, diz que os resultados deste estudo não devem trazer pânico. "Ela afirma que o estudo é interessante, mas salienta que é baseado em modelagem matemática em vez de observações sobre fatos reais. "A partir da perspectiva da OMS, temos de olhar para evidências de campo quando desenvolvemos estas políticas."

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
prevenção    tratamento    tuberculose    Organização Mundial da Saúde    OMS    Science Translational Medicine    Ramanan Laxminarayan   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.