Geral
publicado em 05/04/2013 às 10h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisadores da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, identificaram uma população de células-tronco capaz de gerar novos neurônios reguladores do apetite no cérebro de roedores jovens e adultos.

Anteriormente acreditava-se que as células nervosas do cérebro associadas com a regulação do apetite eram geradas totalmente durante o desenvolvimento de um embrião no útero e, portanto, seus números eram fixos para toda a vida.

A descoberta pode oferecer uma solução duradoura para os distúrbios alimentares, como a obesidade.

Os resultados foram publicados no Journal of Neuroscience.

A obesidade atingiu proporções de epidemia global. Mais de 1,4 bilhão de adultos em todo o mundo estão acima do peso e mais de meio bilhão são obesos. Problemas de saúde associados incluem diabetes tipo 2, doenças cardíacas, artrite e câncer. Pelo menos 2,8 milhões de pessoas morrem a cada ano como resultado de excesso de peso ou obesidade.

Os cientistas investigaram a seção do hipotálamo do cérebro, que regula os ciclos de sono e vigília, as despesas de energia, apetite, sede, a liberação de hormônio e muitas outras funções biológicas críticas. O estudo analisou especificamente as células nervosas que regulam o apetite.

Eles estabeleceram que uma população de células do cérebro chamada 'tanycytes' comporta-se como células-tronco e adicionam novos neurônios para o circuito de regulação de apetite no cérebro de ratos após o nascimento e na idade adulta.

"Ao contrário de dieta, a tradução desta descoberta poderia eventualmente oferecer uma solução permanente para combater a obesidade. A perda ou avaria dos neurônios no hipotálamo é a principal causa de distúrbios alimentares, como a obesidade. Até recentemente, pensava-se que todas estas células nervosas eram geradas durante o período embrionário e que o circuito que controla o apetite era fixo. Mas este estudo mostrou que o circuito neural que controla o apetite não é fixo em número e poderia ser manipulado para resolver numericamente transtornos alimentares", afirma o pesquisador chefe Mohammad K. Hajihosseini.

O próximo passo da equipe é definir o grupo de genes e processos celulares que regulam o comportamento e atividade das ' tanycytes' . "Esta informação irá ajudar a nossa compreensão das células-tronco do cérebro e pode ser explorada para desenvolver medicamentos capazes de modular o número ou o funcionamento dos neurônios reguladores do apetite", observa Hajihosseini.

O objetivo de longo prazo é traduzir este trabalho para os seres humanos, o que poderia levar até cinco ou 10 anos. Isso poderia permitir uma intervenção permanente na infância para aqueles predispostos a obesidade, ou mais tarde na vida quando a doença torna-se aparente.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
apetite    controle do apetite    células-tronco    distúrbios alimentares    tanycytes    Universidade de East Anglia    Mohammad K. Hajihosseini   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.