Saúde Pública
publicado em 28/03/2013 às 12h35:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Notas mais recentes, e mais limpas, têm cerca de 2.400 bactérias
  « Anterior
Próxima »  
Notas mais recentes, e mais limpas, têm cerca de 2.400 bactérias

Pesquisadores do Reino Unido descobriram que as notas de bancos europeus contêm, em média, mais de 26 mil bactérias.

As análises mostraram ainda que as notas mais novas e, portanto, mais limpas, têm cerca de 2.400 bactérias. As informações são do site Ciência Hoje.

"A percepção dos europeus sobre a sujeira do dinheiro não é infundada. As notas que testamos continham uma média de 26 mil bactérias, o que, para vários tipos de organismos patogénicos, é o suficiente para transmitir uma infecção. Estudos anteriores sobre notas indicaram contaminação com bactérias potencialmente perigosas, como a Klebsiella e a Enterobacter que podem provocar doenças nos seres humanos", observa Ian Thompson, da Universidade de Oxford.

A Klebsiella é uma bactéria que causa infecções respiratórias, urinárias e feridas infecciosas e Enterobacter surge de forma natural ou patogênica nos intestinos dos humanos e outros animais, e que às vezes cresce nas plantas.

O crescimento das bactérias resistentes aos antibióticos é uma ameaça cada vez maior. "Com as notas circulando entre tantas pessoas, valeria a pena realizar um estudo mais amplo sobre a propagação de estirpes resistentes de bactérias por meio do dinheiro vivo circulante em todo o mundo", destacam os pesquisadores.

Os resultados do estudo foram conclusivos, com poucas diferenças na maneira como os Europeus percepcionam a sujeira do dinheiro.

Nos 15 países europeus onde se realizou a investigação, o dinheiro vivo foi considerado o menos higiênico dos objetos, mais sujo que o corrimão das escadas rolantes, teclas de um caixa eletrônico ou livros de uma biblioteca.

Para o estudo, as notas foram limpas com uma solução (PBS) para retirar a amostra de bactérias, e esta solução foi diluída em diferentes soluções e introduzida em placas de Petri com agar tríptico de soja, fonte de nutrientes na qual as bactérias podem crescer.

As placas de Petri foram depois postas em uma incubadora durante 5 dias a uma temperatura de 30ºC e o número de bactérias triplicou. Como apenas 1% das bactérias pode crescer em laboratório, os resultados foram multiplicados por 100 para obter o número aproximado de bactérias por nota. Esta é a prática corrente para quantificar as bactérias em ambientes ' in vitro' . Foram testadas 25 notas, em seis moedas diferentes, e foram retiradas dez amostras em cada nota.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Bactérias    Dinheiro    Notas    Klebsiella    Enterobacter    Ian Thompson    Universidade de Oxford   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Bactérias    dinheiro    notas    Klebsiella    Enterobacter    Ian Thompson    Universidade de Oxford   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.