Geral
publicado em 25/03/2013 às 18h38:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cerca de 100 especialistas, entre brasileiros e estrangeiros, estão reunidos de hoje (25) até sexta-feira (29) para debater pesquisas e programas sobre transtornos mentais. O encontro, promovido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), vai resultar em um relatório sugerindo ao governo ações focadas na prevenção aos transtornos mentais, emocionais e de comportamento.

" Quando nós falávamos nisso 20 anos atrás, todos eram muito céticos sobre a possibilidade de se realmente atuar na prevenção. Mas, hoje, nós compreendemos que a frequência desse trauma é muito elevada" , disse Jair de Jesus Mari, professor do Departamento de Psiquiatria da Unifesp e coordenador do evento.

O encontro tem parceria com a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), a Universidade de Columbia, dos Estados Unidos, e o King's College, da Inglaterra. Nele, os pesquisadores vão discutir também a relação entre os transtornos e as consequências na sociedade, como o abuso físico infantil, a violência doméstica, os maus-tratos na gravidez, o aborto e outros tipos de violência.

Mari defendeu ações e políticas públicas que evitem a exposição, sobretudo dos adolescentes, aos transtornos mentais. " Nós negligenciamos muito essa parte, deixamos acontecer para depois atuar. Então, a ideia é que, do ponto de vista global, nós pudéssemos chamar a atenção para as ações que podemos implementar" , disse.

Stan Kutcher, psiquiatra canadense, falará sobre um projeto aplicado nas escolas de seu país. No Canadá, o sistema de ensino passou a adotar, na grade curricular, programas de prevenção na área de saúde mental. Segundo Mari, a ideia é discutir sobre a viabilidade da implementação de projeto semelhante no Brasil. " Seria interessante, para nós, adotarmos um currículo desse? Ensinar sobre anorexia, drogas, sexualidade, de uma forma mais aberta?" , questiona.

Na Austrália, o programa, chamado headspace, funciona de maneira semelhante, com a destinação de espaços que centralizam diversas ações de prevenção, como locais amigáveis. Esses espaços desenvolvem comportamentos saudáveis, como estímulo à leitura, à autoestima e à promoção da saúde. A ideia, segundo Mari, poderia ser aproveitada pelo Brasil.

" Nós também estamos pensando em um modelo de saúde mental que priorizasse mais a questão da adolescência. Testando lugares mais amigáveis de atração dos adolescentes, e que nesse lugar você pudesse fazer uma articulação com escola, médicos da família e lugares que vão oferecer empregos para jovens" , informou.

Outras experiências estrangeiras serão abordadas na exposição de Yanki Yazgan, psiquiatra de crianças e adolescentes, da Turquia, que vai tratar sobre um programa do país que ensina pais e mães a cuidarem adequadamente dos filhos. O objetivo é evitar o castigo físico cometido contras as crianças. " Queremos falar para as mães [brasileiras] que elas não devem punir desse jeito. Elas têm que usar de outros artifícios, por exemplo, não jogar bola no fim de semana, não assistir à televisão" , disse Mari.

O evento terá espaço, além disso, para projetos brasileiros, como o Cuca Legal, implementado nas escolas paulistanas. Rodrigo Bressan, responsável pela iniciativa, vai explicar como o programa ensina os professores a identificarem casos de transtorno mental entre os alunos, para que sejam encaminhados ao serviço médico. " Antes que a situação piore" , destaca Mari. Para ele, é preciso também combater estigmas na sociedade, como a negação do transtorno. " Tem que gente que acha que não existe esquizofrenia, por exemplo" , disse.

Outra palestra muito esperada pelos pesquisadores é a do psicólogo Bruce Cuthbert, do Instituto Nacional de Saúde Mental (Estados Unidos), sobre o diagnóstico desse tipo de doença. Cuthbert vai apresentar um novo sistema classificatório para esses transtornos, que vai auxiliar na identificação precoce. " Vai ajudar nos tipos de ações que poderiam prevenir a neuroprogressão, a saber identificar os sinais, comportamentos e sintomas" , explicou Mari.

Fonte: AGÊNCIA BRASIL
   Palavras-chave:   Prevenção    Transtornos mentais    São Paulo    Unifesp    Universidade Federal de São Paulo   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
prevenção    transtornos mentais    São Paulo    Unifesp    Universidade Federal de São Paulo   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.