Geral
publicado em 15/03/2013 às 13h21:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Mo123
Heavy Metal ajuda a mudar a frequência cardíaca
  « Anterior
Próxima »  
Heavy Metal ajuda a mudar a frequência cardíaca

A preferência por escutar heavy metal ou música clássica poderia influenciar a saúde cardíaca, segundo pesquisa realizada na Universidade Estadual Paulista (Unesp). Experimentos feitos com o objetivo de avaliar o efeito dos dois gêneros musicais indicam que, definitivamente, o rock pesado tem o poder de tocar os corações - e nem sempre de forma branda. " Nosso trabalho sugere que, após longo tempo, o heavy metal pode colaborar para o desenvolvimento de hipertensão ou outra doença cardíaca" , o fisioterapeuta Vitor Valenti, professor da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp em Marília.

Em seus experimentos, Valenti utilizou uma peça de cada gênero musical. Do lado metaleiro, a escolhida foi a faixa Heavy metal universe, da banda alemã de speed metal (uma subdivisão do heavy metal) Gamma Ray. Do lado erudito, selecionou o famoso Cânone em ré maior, do alemão Johann Pachelbel (1653-1706).

Pertencente ao período barroco, a peça de Pachelbel é frequentemente confundida com as obras de Mozart, e este fator também influenciou na sua seleção.

Em 1991, o pesquisador francês Alfred Tomatis publicou o livro Por que Mozart?, afirmando que o hábito de ouvir composições do músico austríaco pode acelerar o desenvolvimento cerebral, principalmente em crianças. O fenômeno ficou conhecido como " efeito Mozart" , mas sua existência ainda é motivo de polêmica.

Os testes feitos por Valenti envolveram 33 voluntários, que passaram por duas sessões sonoras de cinco minutos para cada estilo musical. Enquanto ouviam as músicas de ambos os estilos, tocadas de forma aleatória, tinham a frequência cardíaca monitorada por eletrocardiograma. As análises estatísticas dos resultados, que devem ser publicados este ano, mostraram os corações dos voluntários batendo mais rápido com as guitarras do Gamma Ray, e desacelerando sob as cordas do Cânone.

Estimulação

Valenti diz que as diferenças nos batimentos cardíacos verificadas nas audições refletem a ação da música sobre o sistema nervoso autônomo. Trata-se de uma divisão do sistema nervoso responsável por funções primordiais do corpo humano como respiração, circulação e controle de temperatura.

Testosterona, estrógeno e progesterona também modulam a atividade cerebral, podendo afetar a forma como as pessoas reagem à música

O sistema nervoso autônomo, por sua vez, subdivide-se em dois grandes troncos, chamados simpático e parassimpático, que trabalham de forma antagônica. A estimulação dos nervos simpáticos produz modificações como dilatação da pupila, aumento da frequência cardíaca e constrição dos vasos sanguíneos, que deixam a pessoa mais apta para lidar com situações de luta ou fuga. Já a estimulação parassimpática produz efeitos contrários, sendo importante para permitir que o indíviduo pegue no sono, por exemplo.

Um poderoso ferramental estatístico permitiu ao pesquisador concluir que, entre os indivíduos pesquisados, os efeitos do heavy metal do Gamma Ray sobre o sistema nervoso simpático foram maiores do que os do Cânone em Ré Maior sobre o parassimpático. " Mas o Cânone produziu efeitos menores do que os verificados em estudos semelhantes que usaram peças de Mozart" , avaliou o pesquisador.

Diferenças entre homens e mulheres

De maneira geral, o coração dos homens reagiu mais intensamente (isto é, com maior variabilidade da frequência cardíaca) ao heavy metal do que o das mulheres. Diferenças hormonais parecem estar na base dessa disparidade. Testosterona, estrógeno e progesterona, além de desempenharem funções ligadas à reprodução, também modulam a atividade cerebral, podendo afetar a forma como as pessoas reagem à música. " No futuro, pretendemos medir a resposta ao estímulo auditivo em mulheres em diferentes fases do ciclo menstrual" , adianta Valenti. " Para os homens, é possível fazer uma análise sanguínea para determinar os níveis de testosterona e verificar se eles se associam à variabilidade da resposta cardíaca ao estímulo musical."

Com informações da Unesp

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Rock pesado    heavy metal    música clássica    saúde cardíaca    Unesp    Universidade Estadual Paulista    Vitor Valenti   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.