Saúde Pública
publicado em 14/03/2013 às 10h20:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Paulo Thai
Empresas transmitem a falsa mensagem de que os cigarros light são mais seguros
  « Anterior
Próxima »  
Empresas transmitem a falsa mensagem de que os cigarros light são mais seguros

Uma nova pesquisa da Harvard School of Public Health revela que um ano após o governo federal dos EUA aprovar uma lei que proíbe palavras descritivas tais como "light", "suave" e "baixo" nas embalagens de cigarros, os fumantes ainda podem identificar facilmente as suas marcas devido ao código de cores que as empresas de tabaco adicionaram após a proibição.

Os resultados sugerem que as empresas têm, de fato, sido capazes de contornar a proibição, portanto, ainda transmitem a mensagem falsa e enganosa de que os cigarros light são mais seguros que cigarros "regulares".

Além disso, as empresas não se inscrevem para ter esses cigarros aprovados como "novos produtos" como solicitado pela lei.

O estudo foi publicado na revista Tobacco Control.

"A indústria do tabaco foi considerado culpada por um tribunal federal em 2006 por promover enganosamente cigarros "light" como mais seguros depois de incontáveis fumantes que mudaram para esse tipo e morreram prematuramente, pensando que tinham reduzido os riscos de saúde. Após a aprovação de uma nova lei federal em 2009 para acabar com práticas de marketing enganosas da indústria do tabaco, as empresas têm, aparentemente, contornado a lei usando formas novas e sofisticadas para enganar os consumidores e não procurou a Food and Drug Administration (FDA) para aprovação desses produtos, conforme exigido por lei", afirma o coautor Gregory Connolly.

Após o relatório U.S. Surgeon General's 1964 ter descoberto que o tabagismo causa doenças, as empresas de tabaco começaram a comercializar cigarros "light" com furos de ventilação que permitem que o ar se misture com a fumaça, o que, segundo as empresas, limitaria a quantidade de fumaça que uma pessoa inala.

No entanto, um relatório de 2001 do National Cancer Institute descobriu que os fumantes compensam o menor rendimento de fumo em cigarros "light", fumando de forma mais intensa e mais frequentemente, ou bloqueando as aberturas de ventilação com os dedos ou os lábios.

Em 2006, o tribunal federal dos EUA decidiu que as empresas de tabaco deviam ser proibidas de usar quaisquer palavras descritivas que transmitem uma mensagem falsa de saúde. A FDA emitiu mais tarde essa proibição.

Para ver se as companhias de tabaco estavam cumprindo ou contornando a proibição, os pesquisadores de Harvard examinaram manuais varejistas da empresa de tabaco Philip Morris; relatórios anuais dos fabricantes arquivados com o Departamento de Saúde Pública; dados de vendas de cigarros nacionais, e os resultados de uma pesquisa de opinião pública nacional de 2011 que incluía perguntas sobre as percepções de fumantes de suas marcas que são "light" ou regulares.

O estudo descreve como a Philip Morris removeu os termos "light", "ultra-light" e "suave" de maços de cigarros e os substituíram por novas cores. Por exemplo, o "Marlboro Light" da marca foi rebatizado de "Marlboro Gold", "Marlboro leve" foi rebatizado de "Marlboro Azul" e o "Marlboro Ultra-light" foi rebatizado de "Marlboro Prata".

Segundo os pesquisadores, outras empresas de tabaco fizeram alterações semelhantes. Os próprios cigarros mantiveram-se inalterados, no entanto, a porcentagem de ventilação em cada categoria de submarcas "light" foi a mesmo depois de ser renomeado e receber uma nova cor.

Na pesquisa de opinião pública, mais de 90% dos entrevistados fumantes disseram que, um ano após a proibição da FDA, eles descobriram que ficou "um pouco mais fácil" (10%) ou "muito mais fácil" (82%) identificar sua marca habitual de cigarros, em outras palavras, eles ainda pensavam em certas marcas como "light", mesmo que os pacotes não usassem a palavra "light".

"Este estudo demonstra as contínuas tentativas da indústria para evitar a regulamentação razoável de produtos do tabaco. Uma pesquisa minuciosa é necessária pela FDA e os tribunais para que os fabricantes de tabaco entrem em conformidade com a lei e que seus produtos não mais transmitam impressões falsas de risco reduzido", afirma o coautor Hillel Alpert.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Cigarro    cigarro light    tabaco    indústria do cigarro    Harvard School of Public Health    Gregory Connolly   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.