Geral
publicado em 08/03/2013 às 17h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Kathy F. Atkinson/University of Delaware
Kenneth van Golen e a estudante Madhura Joglekar, durante o processo de pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Kenneth van Golen e a estudante Madhura Joglekar, durante o processo de pesquisa

Cientistas da University of Delaware, nos Estados Unidos, descobriram uma nova droga que tem potencial para combater uma forma agressiva e rara do câncer de mama.

Resultados de um pequeno estudo piloto mostraram que tumores do câncer de mama inflamatório (IBC) em ratos, que crescem a quatro vezes o seu tamanho original em um período de 10 dias se não tratados, mantiveram-se estáveis em tamanho quando tratados com a droga.

Segundo os pesquisadores, quando uma pequena quantidade de um medicamento quimioterápico tradicional foi combinada com a nova droga, o número de células de tumor foi reduzido pela metade.

A droga foi desenvolvida por uma empresa farmacêutica no Texas para tratar câncer gastrointestinal. Os pesquisadores perceberam que a droga foi projetada para atacar os tumores da mesma maneira que seria eficaz contra o câncer de mama inflamatório. Especificamente, a nova droga tem como alvo o receptor do fator de crescimento derivado de plaquetas.

IBC é relativamente rara, usa um caminho diferente para se espalhar pelo corpo e é muito mais mortal do que a forma comum de câncer de mama. Receptores das formas típicas da doença estão do lado de fora da célula, mas em IBC eles estão no interior, tornando-os mais difíceis de serem atingidos pelo tratamento.

Em estudos com ratos, Kenneth L. van Golen e seus colegas demonstraram que a droga parece aumentar significativamente a eficácia da quimioterapia habitual. "Este efeito composto pode significar que os pacientes com IBC possam passar por uma quimioterapia menos extensa, com menos efeitos colaterais, do que nos dias de hoje", afirma Van Golen.

Além de investigar a interação da droga com medicamentos de quimioterapia, a equipe pretende estudar se ela poderia aumentar também os efeitos do tratamento com radiação.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Câncer de mama    câncer de mama inflamatório    University of Delaware    Kenneth L. van Golen   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.