Ciência e Tecnologia
publicado em 23/02/2013 às 11h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Georgia Tech/Gary Meek
Foto: Georgia Tech/Gary Meek
Foto: Georgia Tech/Gary Meek
Wallace H. Coulter e Ashley Brown, durante o processo de pesquisa Pesquisadores usam bactérias como ferramenta para a evolução de moléculas tais como anticorpos Wallace H. Coulter e Ashley Brown
  « Anterior
Próxima »  
Wallace H. Coulter e Ashley Brown, durante o processo de pesquisa
Pesquisadores usam bactérias como ferramenta para a evolução de moléculas tais como anticorpos
Wallace H. Coulter e Ashley Brown

Pesquisadores da Georgia Tech, nos EUA, estão desenvolvendo plaquetas sanguíneas artificiais que podem acelerar o processo de cicatrização de feridas.

A abordagem pode ser incorporada a um dispositivo injetor do tamanho de um telefone celular, que pode tratar em especial, soldados feridos em campos de batalha, ajudando a controlar o sangramento, estabilizando a lesão e definindo o caminho certo para a cura.

Segundo os pesquisadores, a formação de coágulos de sangue pelas plaquetas artificiais seria desencadeada pelo mesmo fator que inicia a processos naturais de coagulação do corpo. Em modelos animais, as plaquetas sintéticas reduziram o tempo de coagulação em cerca de 30%, embora os materiais ainda não tenham sido testados em seres humanos.

"A ideia é criar uma tecnologia capaz de entregar um biomaterial que consegue encontrar onde o sangramento está acontecendo e aumente o processo de coagulação do próprio corpo. Ao mesmo tempo, o material seria capaz de ajudar a instruir a bioquímica e biofísica da estrutura do coágulo que iria reger a cura posterior", explica o pesquisador Thomas Barker.

Segundo os pesquisadores, além de ajudar parar o sangramento, as plaquetas sintéticas iriam entregar produtos químicos regulamentares destinados a prevenir cicatrizes.

As plaquetas sintéticas, feitas a partir de estruturas de minúsculas conhecidas como hidrogéis, podem ser injetadas na corrente sanguínea, onde circulariam até serem ativadas pelo processo de coagulação do próprio corpo. Uma vez ativadas, as partículas mudariam de forma e ajudariam a vedar as feridas.

O produto já foi testado em ratos, e, separadamente, utilizando sistemas endoteliais simulados in vitro. Embora o trabalho ainda tenha que percorrer um longo caminho até que o dispositivo possa ser usado no campo de batalha, Barker prevê a transição da pesquisa para uma empresa iniciante que vai desenvolver a tecnologia para melhorar a capacidade de sobrevivência de soldados feridos.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Plaquetas sintéticas    Cicatrização    Feridas    Georgia Tech    Ferimento de guerra    Thomas Barker   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Plaquetas sintéticas    cicatrização    feridas    Georgia Tech    ferimento de guerra    Thomas Barker   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.