Ciência e Tecnologia
publicado em 18/02/2013 às 12h36:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Andreas Trepte
Mexilhão da espécie Mytilus edulis utilizado na pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Mexilhão da espécie Mytilus edulis utilizado na pesquisa

Materiais que imitam uma cola natural produzida por mexilhões para mantê-los grudados nas rochas podem ajudar a evitar a ocorrência de partos prematuros e melhorar a eficácia de quimioterapias. É o que revela estudo de pesquisadores da Universidade Northwestern, nos EUA.

A pesquisa sugere que o material pode ser usado para o reparo de membrana amniótica e como polímeros para o transporte de medicamentos no tratamento de tumores.

" A adesão dos mexilhões é um processo notável que envolve a secreção de uma proteína líquida que se enrijece rapidamente na forma de um adesivo sólido e resistente à água. Diversos aspectos desse processo natural nos inspiraram a desenvolver materiais sintéticos. Uma aplicação importante pode estar no reparo de tecidos do corpo humano, nos quais a água está presente e dificulta bastante as tentativas de tratamento" , afirma o pesquisador Phillip B. Messersmith.

Os " pés" do mexilhão comum (a espécie Mytilus edulis) produzem uma cola pegajosa capaz de aderir a pedras e outras superfícies encontradas em ambientes aquáticos. Componente-chave para essa capacidade é uma família de proteínas únicas que contêm concentração elevada do aminoácido DOPA (dihidroxifenilalanina), cuja forma sintética foi produzida pelos pesquisadores.

Em uma gestação, o rompimento prematuro da membrana amniótica pode ocorrer espontaneamente ou em conjunto com um procedimento cirúrgico. As membranas têm capacidade limitada de se recuperar dessas rupturas e o resultado é frequentemente o parto prematuro ou outras complicações sérias. O polímero sintético desenvolvido pelos pesquisadores norte-americanos atua como uma cola líquida que se solidifica e se adere ao tecido úmido da membrana, corrigindo o problema.

Messersmith vem realizando estudos em colaboração com cientistas europeus para conduzir experimentos in vivo para o reparo de rompimentos na membrana fetal.

Outra aplicação do adesivo sintético pode ser o transporte de drogas antitumorais, atuando na formação de veículos para medicamentos estáveis e inativos na corrente sanguínea. Sensíveis ao pH local, essas partículas são ativadas pelo meio mais ácido das áreas com tumores, onde liberam as drogas.

Ainda no tratamento de tumores, há um projeto que envolve modificar a superfície de nanobastonetes (com bilionésimos de metro) de ouro com cobertura feita a partir do polímero adesivo inspirado nos mexilhões. Quando atingem o alvo, os bastonetes são irradiados com luz próxima do infravermelho para promover um aquecimento capaz de destruir as células cancerosas.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Mexilhão    cola    parto prematuro    membrana amniótica    quimioterapia    Universidade Northwestern    Phillip B. Messersmith   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.