Ciência e Tecnologia
publicado em 07/02/2013 às 15h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: J. M. García et al.
Smartphone detecta as diferenças de cor de várias membranas submersas em águas com concentrações variadas de mercúrio
  « Anterior
Próxima »  
Smartphone detecta as diferenças de cor de várias membranas submersas em águas com concentrações variadas de mercúrio

Pesquisadores da Universidade de Burgos, na Espanha, desenvolveram uma técnica que permite detectar a presença de água contaminada com mercúrio utilizando o telefone celular.

Técnica torna possível ainda quantificar a concentração total do metal extremamente tóxico.

Contaminação por mercúrio é um problema que afeta especialmente os países em desenvolvimento. O metal representa um risco para a saúde pública, uma vez que se acumula no cérebro e os rins, causando doenças neurológicas a longo prazo.

O novo método consiste em colocar uma folha criada pelos pesquisadores na água durante cinco minutos. Se ela ficar vermelha, isso sinaliza a presença de mercúrio. "As mudanças podem ser vistas a olho nu, e qualquer pessoa, mesmo sem conhecimento prévio, pode descobrir se uma fonte de água está contaminada com mercúrio acima dos limites determinados", explica o pesquisador José Miguel García.

Além disso, tirando uma fotografia da folha com uma câmera digital, como as de telefones celulares, podemos descobrir a concentração do metal. Nós só precisamos de software de tratamento de imagem para ver as coordenadas de cor. O resultado é depois comparado com os valores de referência.

As folhas contém um composto orgânico fluorescente chamado rodamina, que atua como um sensor de mercúrio. Rodamina é insolúvel em água. Mas uma alteração química permite que, quando colocada em água, suas moléculas sensoriais sejam forçadas a permanecer no meio aquoso e interagir com o mercúrio.

A composição exata da folha pode ser ajustada com os parâmetros desejados. Mais especificamente, os pesquisadores calibraram a folha para que ela mude de cor quando os limites estabelecidos pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos sejam ultrapassados: 2 ppb (partes por bilhão) de mercúrio divalente Hg (II), um dos mais reativos, em água destinada ao consumo humano.

Problema global

Um estudo recente da Organização das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) demonstra que uma grande parte da exposição humana a este metal tóxico é devido ao consumo de peixe contaminado.

Para impedir a contaminação global deste metal, em janeiro, mais de 140 países se reuniram em Genebra e aprovaram o início da Convenção de Minamata, regulamento internacional que faz referência ao nome da cidade japonesa onde centenas de pessoas morreram em 1950 devido a envenenamento por mercúrio.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Mercúrio    água contaminada    Metal tóxica    Universidade de Burgos    José Miguel García   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Mercúrio    água contaminada    metal tóxica    Universidade de Burgos    José Miguel García   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.