Saúde Pública
publicado em 21/01/2013 às 16h37:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Rogério Santana/SECOM/RJ
Aumento de um grau na temperatura mínima em apenas um mês ocasiona elevação de 45% nos casos de dengue no mês seguinte
  « Anterior
Próxima »  
Aumento de um grau na temperatura mínima em apenas um mês ocasiona elevação de 45% nos casos de dengue no mês seguinte

Desenvolvido pela pesquisadora do setor de Epidemiologia da UFRJ Adriana Fagundes Gomes , o estudo Análise Espacial e Temporal da Relação Entre Dengue e Variáveis Meteorológicas na cidade do Rio de Janeiro, entre 2001 a 2009, aponta que nem sempre temperaturas muito elevadas junto com aumento das chuvas são fatores determinantes para o aumento de casos de dengue.

Na pesquisa, Adriana mostra que o aumento de um grau na temperatura mínima em apenas um mês ocasiona elevação de 45% no número de casos de dengue no mês seguinte, enquanto o aumento da precipitação em 10 milímetros resulta na elevação de 6% no número de casos da doença no mesmo período. Além disso, revela que o clima é um importante fator na distribuição temporal e espacial das doenças transmitidas por vetores.

Ela explica que as condições climáticas estão diretamente relacionadas ao desenvolvimento do mosquito vetor ao proporcionar maturação mais rápida (no caso da temperatura) e elevação no número de criadouros (no caso da chuva), aumentando a probabilidade de interação vetor-homem e, em consequência, homem-vírus.

" Estudos mostram que a temperatura ambiente é inversamente proporcional ao tempo de desenvolvimento do Aedes aegypti para a fase adulta. Porém, acima de 40°C, a expectativa de vida do mosquito diminui, ao mesmo tempo que sua capacidade de transmitir o vírus. As taxas máximas de sobrevivência estão na faixa de 20 a 30°C. Contudo, o Aedes aegypti sobrevive acima dos 30°C com o mínimo de impacto, desde que esteja abrigado. Assim, na cidade do Rio de Janeiro, o mosquito encontra, na maior parte do ano, a temperatura ideal. Mas, sendo uma doença sazonal, o número de casos se concentra no verão" , afirma a pesquisadora.

Segundo Adriana, sua pesquisa contribui para ações preventivas, uma vez que envolve análise de parâmetros climáticos, o que pode ser realizado com baixo custo e ao tentar entender o impacto do clima, fornecendo informações para que o desenvolvimento de ferramentas estatísticas para a análise de risco seja efetuado.

Com informações da ENSP/RJ

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Ensp    Epidemiologia    Dengue    Meteorologia    Temperatura    Precipitação    Criadouros   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
ensp    epidemiologia    dengue    meteorologia    temperatura    precipitação    criadouros   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.