Saúde Pública
publicado em 20/01/2013 às 10h15:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: SECOM/RJ
Nutricionistas e psicólogos do programa de redução de estômago atendem os operados por dois anos
  « Anterior
Próxima »  
Nutricionistas e psicólogos do programa de redução de estômago atendem os operados por dois anos

Para enfrentar os desafios da mudança de vida depois da cirurgia de redução de estômago, o Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica, do Hospital Carlos Chagas no Rio de Janeiro, acompanha por dois anos o paciente de cirurgia bariátrica, após a intervenção. Cada reunião de grupo é realizada uma vez ao mês, sob a coordenação e supervisão de uma psicóloga e uma nutricionista. Um misto de terapia de grupo com consulta nutricional, que permite que os pacientes se expressem e façam questionamentos.

Segundo estudos da equipe do programa, a ansiedade e depressão atingem a maioria dos paciente após essas cirurgias. Dúvidas e medos em relação ao quê e quanto comer, como lidar com perda de cabelo, dores, rejeição alimentar, consumo de bebida alcoólica, cobranças da família, acabam afetando a saúde física e psicológica dos pacientes.

Uma das coordenadoras do programa, a psicóloga Sylvia Varoni, afirma que os candidatos à cirurgia costumam chegar com baixa autoestima, comportamentos que denotam dependência afetiva e falta de controle sobre a própria vida.

" Trabalhamos aspectos motivacionais e de autopreservação. Em grupo, eles se ajudam, interagem. Afinal, a cirurgia traz uma mudança muito importante - explicou ela, acrescentando que, muitas vezes, leva um tempo até que o cérebro processe a informação de que a pessoa não é mais obesa," disse.

De acordo com a nutricionista Kátia Rodriguez, a rotina, após a cirurgia, não é fácil. Na primeira etapa, com duração de três semanas, o paciente só consome líquidos. Na quarta semana, semilíquidos. A partir do segundo mês, estão liberados cozidos e alimentação pastosa. Tudo sempre em pequenas quantidades. A partir do terceiro mês, já é possível ingerir saladas. Somente após o sexto mês que a alimentação começa a voltar ao normal, com um aumento de quantidade.

" A psicologia é o braço direito da nutrição. As pessoas precisam aprender a comer corretamente, mas também devem romper com modos de pensar que fazem com que descontem ansiedades e frustrações no alimento ," afirma Kátia, que, junto com a psicóloga, atende a mais 20 grupos já operados por mês, além de cerca de 80 grupos de pacientes que ainda vão operar.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Obesidade    Redução de estômago    Bariátrica    Psicologia    Motivação   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
obesidade    redução de estômago    bariátrica    psicologia    motivação   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.