Geral
publicado em 18/01/2013 às 16h07:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: UFMG
Segundo a orientadora, conhecer o melhor prodimento é importante para diminuir o número de falsos negativos
  « Anterior
Próxima »  
Segundo a orientadora, conhecer o melhor prodimento é importante para diminuir o número de falsos negativos

A adequação de novos procedimentos para o diagnóstico de problemas auditivos em bebês, evita resultados com falsos negativos, segundo as orientadoras da pesquisa sobre o tema Audição e Equilíbrio, as professoras Luciana Macedo de Resende e Sirley Alves da Silva Carvalho, da UFMG.

O estudo submeteu 95 bebês atendidos no Ambulatório de Fonoaudiologia do Hospital São Geraldo do Hospital das Clínicas da UFMG, à timpanometria com diferentes tons de sonda (como são chamados os valores de frequência utilizados). Os resultados foram comparados a outros exames, como o registro das emissões otoacústicas realizados na triagem auditiva neonatal universal e otoscopia feita por um otorrinolaringologista.

A comparação apontou forte correspondência entre os exames quando a timpanometria utilizou um tom com frequência de 678 Hz. De acordo com a professora Luciana Macedo, este tipo de avaliação é mais indicado devido à própria característica do ouvido do recém-nascido. " O procedimento mais comum atualmente utiliza uma frequência de 220Hz, pensando na orelha do adulto" , explica. " No entanto, o ouvido dos bebês tem características bem diferentes, e outros tipos de frequências transitam com mais facilidade. Frequências mais elevadas, como 678 ou 1000 Hz geram uma resposta mais fidedigna" , explica.

A timpanometria é utilizada nesses casos para definir o que pode estar causando o problema identificado na triagem. Um resultado normal descarta problemas condutivos no ouvido médio, mas indica problemas neurossensoriais, que podem implicar uma perda de audição permanente

A partir desse estudo, Luciana Macedo conclui que é possível traçar um novo protocolo de testagem para problemas auditivos nos primeiros meses de vida, de maneira que os resultados sejam mais confiáveis, otimizando o tratamento realizado atualmente e dando mais confiança para as famílias lidarem com o problema.

Com informações da UFMG

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Problemas auditivos    Bebês    Diagnóstico    Falsos negativos    Timpanometria    Otoscopia    Emissões otoacústicas    Ufmg   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
problemas auditivos    bebês    diagnóstico    falsos negativos    timpanometria    otoscopia    emissões otoacústicas    ufmg   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.