Saúde Pública
publicado em 08/01/2013 às 19h53:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

O Brasil deve duplicar o número de pacientes tratados e ampliar o acesso aos testes de detecção do HIV, para permitir o diagnóstico e tratamento precoce da doença e reduzir a proliferação do vírus. É o que defende especialista em saúde pública Mario Scheffer, professor da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), no livro Coquetel: a incrível história dos antirretrovirais e do tratamento da aids no Brasil.

O livro, lançado em dezembro do ano passado, é baseado em pesquisas realizadas na FMUSP sobre o histórico do desenvolvimento dos antirretrovirais e da mobilização dos pacientes e da sociedade para que o governo implantasse sua distribuição pelo SUS. Hoje, no Brasil, cerca de 250 mil portadores do HIV, vírus causador da aids, recebem gratuitamente do Sistema Único de Saúde (SUS) os medicamentos antirretrovirais para o tratamento da doença.

Scheffer explica que o vírus HIV, para se reproduzir, utiliza-se das células CD-4 (linfócitos), que protegem o organismo contra infecções. " Quando a aids tornou-se uma epidemia, no inicio dos anos 1980, os médicos limitavam-se a acompanhar a história natural dos pacientes, que morriam de infecções oportunistas, provocadas pela destruição do sistema imunológico pelo vírus" , diz. " O primeiro medicamento conta o HIV, o AZT, começou a ser utilizado em 1986, mas o tratamento era pouco eficaz, mesmo quando combinado com outra medicação, na chamada terapia dupla, surgida em 1991."

Tratamento

Scheffer aponta que o aumento do número de pacientes tratados ajudará a reduzir a transmissão do vírus, e consequentemente, o número de casos da doença. " A partir de 2008, a comunidade científica começou a discutir o uso dos antirretrovirais para prevenir a transmissão do HIV" , afirma. " No ano passado o governo federal alterou o indicador de contagem de linfócitos necessário para iniciar o tratamento, de modo que seja iniciado mais precocemente" .

O professor observa que a ampliação do acesso aos antirretrovirais obrigará o Brasil a manter a atenção com as questões de custos, patentes e produção de medicamentos genéricos. " No livro, é demonstrado que para garantir a sustentabilidade do programa brasileiro de aids, será necessária melhor regulamentação do processo de incorporação dos antirretrovirais, a começar pelas pesquisas clínicas, consenso terapêutico, mecanismos de registro, ações judiciais, atuação dos médicos e das empresas farmacêuticas" , destaca.

Com informações da USP

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Aids    HIV    Faculdade de Medicina da USP    FMUSP    Coquetel    Antirretrovirais    Livro    Mario Scheffer   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Aids    HIV    Faculdade de Medicina da USP    FMUSP    Coquetel    antirretrovirais    livro    Mario Scheffer   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.