Geral
publicado em 04/01/2013 às 09h35:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cientistas do Japão criaram, pela primeira vez, células que podem ser injetadas no organismo para matar o câncer.

A equipe do Centro de Pesquisa RIKEN conseguiu desenvolver células do sistema imune chamadas de linfócitos T assassinos a partir de células-tronco pluripotentes induzidas (células iPS).

Para criar essas células assassinas, primeiro a equipe teve de reprogramar os linfócitos T especializados em matar certo tipo de câncer, em células iPS. As células iPS então geraram novos linfócitos T anticâncer específicos. Estes linfócitos regenerados a partir de células iPS podem servir como terapia futura contra o câncer.

Pesquisas anteriores mostraram que os linfócitos T assassinos produzidos em laboratório usando métodos convencionais não são eficazes em matar células cancerígenas, principalmente porque têm um tempo muito curto de vida, o que limita sua utilização como um tratamento para o câncer.

Visando superar esses problemas, os pesquisadores japoneses liderados por Hiroshi Kawamoto reprogramaram linfócitos T maduros assassino em células iPS e investigaram como essas células se diferenciam.

A equipe induziu linfócitos T assassinos específicos para um determinado tipo de câncer de pele em células iPS, expondo os linfócitos aos "fatores de Yamanaka, grupo de compostos que induzem as células a voltar a um estágio não-especializado.

As células iPS obtidas foram então cultivadas em laboratório e induzidas a diferenciarem-se em linfócitos T assassinos novamente. Este novo grupo de linfócitos T mostrou ser específico para o mesmo tipo de câncer de pele, como os linfócitos originais.

Eles mantiveram a reorganização genética, permitindo-lhes expressar o receptor de câncer específico em sua superfície. Os novos linfócitos T foram também demonstraram ser ativos e produzirem um composto antitumoral.

"Conseguimos a expansão de células T antígeno-específicas, transformando-as em células iPS e diferenciando-as novamente em células T funcionais. O próximo passo será testar se essas células T podem matar seletivamente as células tumorais, mas não as outras células do corpo. Se elas fizerem isso, essas células podem ser injetadas diretamente nos pacientes para a terapia. Isto poderia ser realizado em um futuro não muito distante", conclui Kawamoto.

Os resultados foram publicados na revista Cell Stem Cell.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Células T assassinas    Células anticâncer    Células-tronco    RIKEN    Hiroshi Kawamoto   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Células T assassinas    células anticâncer    células-tronco    RIKEN    Hiroshi Kawamoto   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.