Geral
publicado em 02/01/2013 às 15h55:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Pesquisa recém-concluída na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) indicou que cápsulas de probióticos recobertas com proteína do soro resistem à passagem pelo sistema digestivo. A pesquisa investigou a microencapsulação da bactéria Lactobacillus acidophilus e sua aplicação na fabricação de alimentos probióticos.

" Realizamos a pesquisa em duas frentes: explorando características físico-químicas das microcápsulas e avaliando a aplicação delas na fabricação de iogurte e de queijo prato" , disse a professora Mirna Lúcia Gigante, coordenadora da pesquisa que contou com a colaboração de alunos e de Carlos Grosso, também docente na FEA-Unicamp.

Na primeira parte do projeto, o grupo avaliou o processo de produção das microcápsulas com pectina recoberta com proteínas de soro, que ocorre por interação eletrostática. De acordo com Gigante, a adsorção processo pelo qual moléculas são retidas na superfície de sólidos da proteína na superfície da partícula foi maior quando a proteína do soro foi tratada termicamente.

Segundo a pesquisadora, quando expostas experimentalmente ao suco intestinal artificial, que simula o sistema digestivo na região do intestino humano, as partículas com proteína de soro se dissolveram mais facilmente do que as partículas só com pectina.

" Analisamos a manutenção da viabilidade do probiótico, tanto livre como encapsulado, durante o processamento do alimento e a conservação deste e sua resistência à passagem pelo trato gastrointestinal" , disse Gigante.

Isso porque o microrganismo não deve interferir no processamento nem alterar as características dos alimentos, ou seja, não pode apresentar quaisquer aspectos que modifiquem os alimentos. " Ele não pode apresentar textura, odor, sabor ou cor" , disse Gigante. Além disso, o probiótico tem de sobreviver à elevada acidez da região gástrica.

Yogurte

No caso do iogurte, os pesquisadores observaram que a microencapsulação do probiótico favoreceu a manutenção da sua viabilidade durante 35 dias de armazenamento refrigerado do produto.

Quando submetido à passagem pelo suco intestinal, os resultados da capa protetora com proteína de soro também foram positivos. " Dos probióticos encapsulados, 62% sobreviveram. Sem a proteção, ou seja, o microrganismo livre, apenas 10% resistiram" , disse Gigante.

Na produção do iogurte, quando o Lactobacillus acidophilus foi microencasulado o produto apresentou menor pós-acidificação em relação ao probiótico não encapsulado. Isso significa que as características desejáveis do produto não foram drasticamente alteradas.

Entretanto, os efeitos da microencapsulação não foram os mesmos no caso do queijo prato. " A partícula não conferiu efeito protetivo adicional ao probiótico nem durante o armazenamento do produto nem quando submetido às condições que simulam a passagem pelo trato gastrointestinal" , disse Gigante.

De acordo com ela, ao que tudo indica a malha proteica natural do queijo já exerce a função de proteger e manter vivo o microrganismo.

" Mesmo assim, os resultados despertaram nosso interesse em aprofundar os estudos dos efeitos da adição de diferentes probióticos nas características físico-químicas, microbiológicas e sensoriais do queijo prato" , disse Gigante, cuja equipe tem analisado a mistura de dois dos probióticos mais utilizados pela indústria láctea: Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium.

Nova pesquisa

No intestino, os benefícios atribuídos aos probióticos podem ser manifestados. " Existem aqueles que melhoram o trânsito gastrointestinal, outros podem diminuir infecções, há os que estão relacionados ao controle da pressão arterial e os que são antialergênicos" , disse.

Gigante acaba de iniciar nova pesquisa apoiada pela Fundação de Amaro à Pesquisa de São Paulo (FAPESP) para avaliar a maturação e o perfil sensorial do queijo prato probiótico tipo lanche adicionado de Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium.

Com informações da Fapesp

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
soro de leite    probiótico    lactobacilos    Lactobacillus acidophilus    Faculdade de Engenharia de Alimentos    FEA    Unicamp    Universidade de Campinas   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.