Geral
publicado em 23/12/2012 às 10h34:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: MSF
Margarete Sepùlveda, enfermeira do Médicos Sem Fronteiras (MSF)
  « Anterior
Próxima »  
Margarete Sepùlveda, enfermeira do Médicos Sem Fronteiras (MSF)

Nas florestas da República Centro-Africana, crianças com menos de cinco anos estão morrendo em quantidade normalmente observada em guerras ou desastres naturais. A enfermeira de MSF Margarete Sepùlveda , que trabalha para mudar esse cenário, nos programas do Médico Sem Fronteiras, revelou forte preocupação quanto aos descaso com essas populações, que são abandonadas à própria sorte sem assistência básica de saúde.

Com projetos no Congo, no Haiti e na Costa do Marfim na bagagem, Margarete incorporou a combinação da mentalidade pragmática da África com o profissionalismo alemão, que garantem sua considerável força à frente da " Equipe Margarete" em suas movimentações através das florestas da África central.

A enfermeira viaja rumo aos vilarejos no coração da África, para avaliar pacientes e vaciná-los contra pólio, difteria, tétano, coqueluche, sarampo e febre amarela. Muitas crianças na República Centro-Africana não têm a sorte de terem acesso a essas vacinas e, por isso, fica a cargo de MSF, e de enfermeiros como Margarete, a função de fazer esse atendimento.

A desnutrição e falta de saneamento básico são os principais fatores que agravam a situação da saúde do povo africano. Margarete relata que num vilarejo uma criança estava desnutrida e com malária, dois problemas que geralmente andam juntos na região. " Malária e desnutrição geralmente caminham juntas" , continua Margarete. " Isso aumenta o risco de morte. Mas, se a criança está bem nutrida, ela pode viver alguns dias com a malária que nós ainda conseguimos salvá-la" . Para isto, as crianças são colocadas no programa nutricional e medicadas com Plumpy´Nut . Plumpy´Nut é uma pasta a base de amendoim enriquecida com vitaminas e minerais que permite a MSF tratar a desnutrição severa simples sem internar os pacientes no hospital, já que a pasta pode ser administrada em casa. É uma bomba calórica que salva vidas. Mesmo assim, Margarete se preocupa com o cenário que parece se agravar a cada dia. " Crianças estão morrendo o tempo todo. Elas morrem aqui como morrem nas guerras ou em meio a outras crises. Mas ninguém parece se importar. Não entendo, realmente não entendo. Estamos no coração da África. Mas é um coração esquecido." , denuncia.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Malária    Desnutrição    Guerra    Desastres naturais    Crianças    áfrica   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
malária    desnutrição    guerra    desastres naturais    crianças    áfrica   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.