Geral
publicado em 17/12/2012 às 13h54:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Diego Cervo/Foto Stock
No estudo, 28,6% das mulheres disseram consumir frutas e hortaliças cinco ou mais vezes por semana
  « Anterior
Próxima »  
No estudo, 28,6% das mulheres disseram consumir frutas e hortaliças cinco ou mais vezes por semana

Mulheres têm alimentação mais saudável do que homens, mas ainda aquém do que seria ideal. A conclusão é da nutricionista e pesquisadora Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Raquel da Silva Assunção.

Segundo ela, a pesquisa é um passo importante para se pensar políticas públicas voltadas para a alimentação saudável. O avanço das chamadas doenças crônicas não transmissíveis, como câncer e diabetes, aliada à transição nutricional e ao crescimento da obesidade na população, aumenta o valor da alimentação adequada. " Compreender essas diferenças é fundamental para definir maneiras diferentes de lidar com cada um dos gêneros" , afirma a autora.

O estudo baseou-se em dados do Vigitel, pesquisa anual por telefone coordenada pelo Ministério da Saúde. Foram analisados dados de 47.557 pessoas referentes ao consumo frequente de frutas e hortaliças, carnes gordurosas e adição de sal à refeição pronta. Na comparação, 28,6% das mulheres disseram consumir frutas e hortaliças cinco ou mais vezes por semana, contra apenas 16,9% dos homens.

O índice de consumo de carnes gordurosas ainda é superior ao recomendado em ambos os sexos. Novamente as mulheres se saíram melhor que os homens, reportando consumo frequente em 30,6% dos casos, contra 52,7% deles. Para Raquel Assunção, isso é evidência da necessidade de uma reeducação alimentar. "É preciso um trabalho maior para inverter essa tendência" , analisa.

Influência da escolaridade

A pesquisadora procurou outros fatores que poderiam influenciar os hábitos de alimentação da população. Um deles é a escolaridade das pessoas consultadas. Segundo Raquel Assunção, a diferença de hábitos alimentares entre os gêneros foi menor no grupo com nove ou mais anos de estudo quando comparada àquele com menos instrução.

" Com mais informações os homens passam a ter uma preocupação maior, reduzindo essa diferença" , expõe.

Sal

Outro dado também analisado foi o uso do sal à mesa. A pesquisa mostrou que 8,3% da população adiciona o condimento à refeição pronta. Como o sal usado na preparação dos alimentos dos brasileiros já é em quantidade elevada (mais que o dobro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde), o problema vira uma bola de neve. "É importante termos consciência dos problemas causados pelo excesso de sal, como a hipertensão, e trabalhar para reduzir esse consumo" , alerta Raquel.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
alimentação    dieta    saúde da mulher    saúde do homem    UFMG    Universidade Federal de Minas Gerais    Raquel da Silva Assunção   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.