Geral
publicado em 17/12/2012 às 11h09:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Linda A. Cicero/News Service
Guosong Hong (a esq.) e Hongjie Dai look, durante o processo de pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Guosong Hong (a esq.) e Hongjie Dai look, durante o processo de pesquisa

Pesquisadores dos EUA desenvolveram uma técnica de imagem de fluorescência que lhes permite visualizar os vasos sanguíneos de animais vivos, com uma clareza sem precedentes em comparação com as técnicas convencionais.

Além de fornecer detalhes, a técnica permite a visualização rápida de imagens, permitindo que os pesquisadores meçam o fluxo de sangue em tempo real.

A técnica, chamada de near infrared-2 imaging, ou NIR-2, envolve primeiro a injeção de nanotubos de carbono solúveis em água na corrente sanguínea dos animais. Os pesquisadores então aplicam um laser sobre o objeto, no caso do estudo, um rato.

A luz faz com que os nanotubos especialmente concebidos fiquem fluorescentes a um comprimento de onda de 1-1,4 microns, que é detectado para determinar a estrutura dos vasos sanguíneos.

O fato de os nanotubos ficarem fluorescentes em comprimentos de onda substancialmente maiores do que as técnicas convencionais de imagem é fundamental para alcançar imagens mais nítidas dos vasos sanguíneos minúsculos. Outro benefício é que o detector regista menos ruído de fundo uma vez que o corpo humano não produz autofluorescência neste comprimento de onda.

O trabalho foi publicado na revista Nature Medicine.

A capacidade de obter informação tanto do fluxo de sangue quanto da clareza do vaso sanguíneo não era anteriormente possível, e será particularmente útil no estudo de modelos animais de doença arterial, tais como a forma como o fluxo de sangue é afetado pelas obstruções arteriais e constrições que causam, entre outras coisas, derrames e ataques cardíacos.

"Para a pesquisa médica, é uma ferramenta muito agradável para olhar para os recursos em pequenos animais. Isso vai nos ajudar a entender melhor algumas doenças vasculares e como elas respondem à terapia, e como podemos desenvolver melhores tratamentos", afirmam os pesquisadores.

O próximo passo para a pesquisa, que pode tornar a tecnologia mais facilmente aceita para uso em seres humanos, é explorar alternativas para as moléculas fluorescentes. "Nós gostaríamos de encontrar algo menor do que os nanotubos de carbono, mas que emita luz no mesmo comprimento de onda longo, de modo que possa facilmente ser excretado do corpo, eliminando quaisquer preocupações de toxicidade", conclui o investigador Hongjie Dai, da Stanford School of Medicine.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Fluxo de sangue    técnica de fluorescência    obstruções arteriais    Stanford School of Medicine    Hongjie Dai   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.