Geral
publicado em 09/12/2012 às 10h15:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

A asma não controlada durante a gestação pode causar sérios problemas para a mãe e bebê. Um bom acompanhamento médico da gestante asmática pode minimizar seu desconforto e evitar complicações para o recém-nascido como prematuridade, baixo peso e tamanho deficiente. É o que indica estudo realizado pelo Centro de Pesquisas em Alergia e Imunologia Clínica, no Ambulatório de Asma na Gravidez do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que verificou a relação entre o controle da doença durante a gestação e o crescimento neonatal.

O estudo descritivo, tipo série de caso, foi realizado com 34 pacientes atendidas no ambulatório, de dezembro de 2011 a junho de 2012. As pacientes foram divididas em dois grupos, de acordo com o controle da asma, e comparadas com relação à frequência de recém-nascidos prematuros; pequenos para a idade gestacional (PIG); com baixo peso ao nascer; índice de APGAR (condições de vitalidade) e via de parto.

Vinte (59%) pacientes encontravam-se com a asma controlada ao fim da gestação e 14 (41%), não controlada. Dos recém-nascidos, cinco (14,7%) foram considerados PIG; dois (5,9%) prematuros e três (8,8%) com baixo peso. Das 14 pacientes com asma não controlada, quatro compareceram apenas à primeira consulta de asma, seis usaram irregularmente a medicação e as demais apresentaram quadro de asma de difícil controle. No mesmo grupo, seis recém-nascidos (42,9%) apresentaram déficit de crescimento uterino. Não houve diferença quanto à via de parto. Em relação ao APGAR, não foram registrados valores abaixo de 7 entre as asmáticas controladas.

O obstetra do HC e pesquisador Mauro Aguiar desenvolveu o estudo a partir da sensibilização de professores de obstetrícia e pneumologia - envolvidos com o atendimento a gestantes asmáticas - que perceberam uma lacuna na assistência e na pesquisa a respeito do atendimento a gestantes com a doença. " Os resultados deste trabalho estão de acordo com a literatura e reforçam a importância do controle adequado da doença durante a gravidez. A asma pode se iniciar na gravidez, mas é raro, normalmente a paciente tem asma desde a infância e, ao engravidar, a manifestação da doença se torna imprevisível" , explica Aguiar.

Com informações da UFPE

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
parto prematuro    gestante asmática    neonatologia    maternidade    natalidade    UFPE    Universidade Federal de Pernambuco   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.