Geral
publicado em 09/12/2012 às 09h00:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Walter and Eliza Hall Institute
Dr Seth Masters (a dir.) e Dr Motti Gerlic, envolvidos na pesquisa
  « Anterior
Próxima »  
Dr Seth Masters (a dir.) e Dr Motti Gerlic, envolvidos na pesquisa

Pesquisadores australianos descobriram um interruptor no sistema imunológico que destrói as células-tronco do sangue quando o corpo está sob estresse severo, como durante quimioterapia e infecções sistêmicas.

A descoberta pode ter implicações para a proteção do sistema sanguíneo durante a quimioterapia ou de doenças associadas à infecção generalizada, como sepse.

O interruptor é acionado quando os sinais internos de células imunológicas que protegem o corpo de infecções agem de forma confusa.

O pesquisador Seth Masters e seus colegas do Walter and Eliza Hall Institute conduziram o projeto de pesquisa que mostrou que o bloqueio destes sinais internos, em um determinado receptor celular chamado NLRP1, pode impedir as células-tronco de sangue de se autodestruírem, prevenindo a morte após a quimioterapia e aumentando a recuperação de infecções.

NLRP1 faz parte de uma família de receptores do sistema imunológico que atua como um mecanismo de proteção, instruindo as células estaminais do sangue e do sistema imunológico a morrer quando há infecções ou lesões graves relacionadas com o estresse.

"Uma teoria é que quando as células estaminais estão infectadas com uma bactéria ou vírus, elas podem efetivamente passar a infecção para todas as células do sangue descendentes, ajudando a espalhar o patógeno por todo o corpo. Portanto, o corpo tem evoluído para ativar esta via para matar as células-tronco infectadas, reduzindo o risco de infecção. No entanto, no caso de sepse, ou de um paciente com câncer que contrai uma infecção, o receptor NLRP1 inapropriadamente instrui as células estaminais do sangue a morrerem, e muitos se matam, até que o paciente não possa recuperar as células do sistema imunológico, deixando-os em maior risco de morte", afirma Masters.

A equipe de pesquisa está envolvida em ensaios que visam testar esta via para o tratamento de infecções graves, e têm grandes esperanças para seu uso futuro. "É cedo, mas estamos otimistas de que este é um caminho que pode ajudar a prevenir a morte das células do sangue e tratar casos graves de sepse, bem como outras condições onde as células-tronco do sangue afetas, como durante a quimioterapia", conclui Masters.

Os resultados foram publicados hoje na revista Immunity.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Quimioterapia    sepse    infecções graves    sistema sanguíneo    Walter and Eliza Hall Institute    Seth Masters   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.