Geral
publicado em 19/11/2012 às 17h30:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+
Foto: Sanford-Burnham Medical Research Institute
Stuart A. Lipton, autor sênior do estudo
  « Anterior
Próxima »  
Stuart A. Lipton, autor sênior do estudo

Pesquisador do Sanford-Burnham Medical Research Institute, nos EUA, desenvolveram neurônios a partir de células-tronco que conduzem a atividade cerebral após o transplante em modelos de laboratório.

A pesquisa deixa os cientistas um passo mais próximo de usar essas células para tratar a doença de Alzheimer e outras condições neurodegenerativas.

Atualmente, cientistas são capazes de criar neurônios e outras células do cérebro a partir de células-tronco, mas fazer com que estes neurônios funcionem corretamente quando transplantados tem sido mais difícil.

Agora, o pesquisador Stuart A. Lipton e seus colegas descobriram uma forma de estimular células-tronco derivadas de neurônios para guiar a função cognitiva após o transplante em uma rede neural pré-existente.

O estudo foi publicado no Journal of Neuroscience.

"Nós mostramos pela primeira vez que as células-tronco embrionárias que temos programado para se tornarem neurônios podem integrar os circuitos cerebrais existentes e disparar padrões de atividade elétrica que são críticos para a consciência e atividade de rede neural", afirma Lipton.

Lipton e sua equipe transplantaram neurônios derivados de células-tronco humanas no hipocampo de roedores, centro de processamento de informações n o cérebro .

Em seguida, eles especificamente ativaram os neurônios transplantados por meio do estímulo optogenético, técnica relativamente nova que combina luz e genética para controlar com precisão o comportamento celular em tecidos vivos ou animais.

Para determinar se os neurônios recém-transplantados estavam trabalhando, os pesquisadores mediram as oscilações de alta frequência nos neurônios existentes a certa distância dos transplantados. Eles descobriram que os neurônios transplantados levaram os neurônios existentes a desencadearem oscilações de alta frequência. Oscilações neuronais mais rápidas são geralmente melhores, elas são associadas a melhor desempenho em tarefas sensório-motoras e cognitivas.

Para resumir, os neurônios transplantados humanos não só conduziram impulsos elétricos, mas também despertou redes neuronais vizinhas ao funcionamento normal.

A perspectiva terapêutica para esta tecnologia parece promissora. "Com base nesses resultados podemos ser capazes de restaurar a atividade cerebral e, assim, restaurar a função motora e cognitiva, transplantando neurônios derivados de células-tronco embrionárias", conclui Lipton.

Fonte: Isaude.net
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Neurônios    neurônios derivados de células-tronco    Sanford-Burnham Medical Research Institute    Stuart A. Lipton   
Comentários:
Comentar
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.