Geral
publicado em 19/11/2012 às 08h06:00
   Dê o seu voto:

 
tamanho da letra
A-
A+

Cientistas da Northwestern University, nos EUA, desenvolveram uma nova nanopartícula capaz de parar a esclerose múltipla (MS) em camundongos.

A partícula entrega um antígeno que engana o sistema imunológico e detém seu ataque à mielina impedindo a progressão da doença.

A nanotecnologia também pode ser aplicada a uma variedade de doenças imunomediadas, incluindo diabetes tipo 1, alergias alimentares e alergias das vias respiratórias, tais como a asma.

Na esclerose múltipla, o sistema imunológico ataca a membrana de mielina que isola as células nervosas no cérebro, medula espinhal e nervo óptico. Quando o isolamento é destruído, sinais elétricos não podem ser eficazmente realizados, resultando em sintomas que variam de dormência de membros a paralisia ou cegueira.

A nova abordagem não suprime todo o sistema imunológico como as terapias atuais para a MS, que tornam os pacientes mais suscetíveis a infecções diárias e taxas mais altas de câncer. Pelo contrário, quando as nanopartículas são ligadas aos antígenos de mielina e injetadas nos ratos, o sistema imune é reestabelecido ao normal. O sistema imunológico para de reconhecer a mielina como um invasor estrangeiro e para seu ataque sobre ela.

"Este é um avanço muito significativo na imunoterapia. A beleza desta nova tecnologia é que ela pode ser usada em muitas doenças ligadas ao sistema imunológico. Nós simplesmente mudamos o antígeno que está sendo entregue", explica o autor do estudo Stephen Miller.

Segundo os pesquisadores, as nanopartículas têm muitas vantagens, pois podem ser facilmente produzidas em laboratório e normalizadas para fabricação. Elas têm potencial de tornar a terapia mais barata e acessível à população em geral.

"Nós administramos essas partículas em animais que têm uma doença muito semelhante à esclerose múltipla e conseguimos deter sua progressão. Impedimos quaisquer recaídas futuras por até 100 dias, o que é o equivalente a vários anos na vida de um paciente humano com a doença", afirma Miller.

A nanopartícula, feita a partir de uma substância já aprovada pela Food and Drug Administration (FDA), foi desenvolvida por Lonnie Shea e descrita na revista Nature Biotechnology.

Shea e Miller estão, agora, testando as nanopartículas para tratar diabetes tipo 1 e doenças respiratórias como a asma.

Fonte: Isaude.net
   Palavras-chave:   Nanopartícula    Esclerose múltipla    Diabetes tipo 1    Asma    Northwestern University    Stephen Miller   
  • Indique esta NotíciaIndique esta Notícia
  • Indique esta NotíciaCorrigir
  • CompartilharCompartilhar
  • AlertaAlerta
Link reduzido: 
  • Você está indicando a notícia:
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

  • Você está informando uma correção para a matéria:


Receba notícias do iSaúde no seu e-mail de acordo com os assuntos de seu interesse.
Seu nome:
Seu email:
Desejo receber um alerta com estes assuntos:
Nanopartícula    esclerose múltipla    diabetes tipo 1    asma    Northwestern University    Stephen Miller   
Comentários:
Comentar
GERSON FALTERMEIER
postado em:
19/11/2012 21:29:18
SE PRECISAREM ESTAREI A DISPOSIÇÃO PARA TESTAR EM MIM.ESTOU MUITO FELIIIIIIIZ COM ESSA DESCOBERTA
GERSON FALTERMEIER
postado em:
19/11/2012 21:14:54
SERA QUE EU VOU CONSEGUIR ESSE TRATAMENTO PARA ESSA MINHA DOENÇA(ESCLEROSE MÚLTIPLA)A TEMPO?...EU ESPERO QUE SIM!
Deixe seu comentário
Fechar
(Campos obrigatórios estão marcados com um *)

(O seu email nunca será publicado ou partilhado.)

Digite a letras e números abaixo e clique em "enviar"

  • Twitter iSaúde
publicidade
Jornal Informe Saúde

Indique o portal
Fechar [X]
  • Você está indicando a notícia: http://www.isaude.net
  • Para que seu amigo(a) receba esta indicação preencha os dados abaixo:

RSS notícias do portal  iSaúde.net
Receba o newsletter do portal  iSaúde.net
Indique o portal iSaúde.net
Notícias do  iSaúde.net em seu blog ou site.
Receba notícias com assunto de seu interesse.
© 2000-2011 www.isaude.net Todos os direitos reservados.